Economia

Conservadorismo dos bancos causou alta recorde de juros, diz BC

;

postado em 25/11/2008 19:31
As taxas de juro dispararam no Brasil em razão do conservadorismo dos bancos diante da crise financeira internacional, avaliou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes. De acordo com Lopes, em momentos de crise, naturalmente o sistema bancário exige mais garantias e eleva o spread - diferença entre os juros que a instituição pratica para investidores e os que cobra dos tomadores de empréstimos. Nesta terça-feira (25/11), o BC anunciou que em outubro, a taxa geral anual de juros (42,9%) foi a mais elevada desde junho de 2006 (43,2%). Para as pessoas físicas (famílias), a taxa de 54,8%, a maior desde junho de 2006 ; 55,8%. No caso das empresas, os juros anuais de 31,6% são os mais altos desde dezembro 2005 (31,7%). Diante desse quadro, Altamir Lopes aconselha os consumidores a fazerem compras à vista para o Natal. "As compras financiadas de final de ano vão sair caras", alertou. Neste mês, as taxas não caíram em relação a outubro. Até o dia 12 de novembro, com oito dias úteis, na comparação com o mesmo período de outubro, a taxa geral de juros chegou a 45%, uma alta de 2,1%. Para as famílias, a taxa subiu cinco pontos percentuais e ficou em 59,8%. No caso das empresas, a alta foi menor ; 0,2 ponto percentual ; e chegou a 31,9%.No caso do cheque especial ; uma das modadlidade mais caras ; a taxa chegou a 170,8%, a mais elevada desde julho de 2003 (173,9%). Spread O spread é responsável por boa parte do lucro dos bancos. Na comparação dos oito primeios dias úteis de outubro com os de novembro, o spread geral subiu 2,2 pontos percentuais (30,5 pp). Para as famílias, a alta foi de 4,8 pontos percentuais (44,5 pp) e para as empresas, 0,5 ponto percentual (18%). No mês de outubro, o spread bateu recorde. Para as famílias, a taxa de 39,7 pontos percentuais é a mais elevada desde janeiro de 2007 (39,9 p.p). No caso das empresas, a taxa de 17,5 pp é a mais elevada desde outubro de 2002 (17,7 pp). Inadimplência Mesmo com os juros mais altos, Altamir Lopes avalia que não há alteração significativa na inadimplência, uma vez que é verificado aumento de renda da população. A taxa geral de inadimplência de setembro para outubro passou de 4% para 4,1%. Para as famílias, de 7,3% e para 7,4% e para as empresas de 1,6% para 1,7%.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação