Publicidade

Correio Braziliense

Fórum Econômico Mundial apresenta sombrio panorama para 2009

 


postado em 13/01/2009 10:31 / atualizado em 13/01/2009 12:05

O Fórum Econômico Mundial (WEF) apresentou nesta terça-feira (13/01) um sombrio panorama sobre as perspectivas econômicas do planeta em 2009 e advertiu que os governos podem ver o tiro sair pela culatra com seus multimilionários pacotes de resgate financeiro. "As previsões econômicas para 2009 são sombrias para a maioria das economias", assinalou o WEF em seu relatório anual. O documento mostra um quadro pouco animador em todos os âmbitos: mercados voláteis, falta de liquidez, aumento de desemprego e índices de confiança dos consumidores. "Esta situação corre o risco de estimular políticas de investimentos perigosas a longo prazo", assinala o informe, elaborado com consultas feitas com políticos, empresários e acadêmicos. "Os gastos maciços destinados pelos governos para ajudar as instituições financeiras ameaçam as já precárias situações fiscais de países como Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Itália, Espanha e Austrália". "É perigoso não buscar as raízes do problema ou semear novos problemas, cujo impacto não será imediato, mas que se fará sentir com força mais tarde", argumenta. O estudo teme, além disso, uma desaceleração da economia mais forte que a prevista, de 6% ou, inclusive, menos, por cuasa da queda das exportações. Mas toda crise é uma oportunidade e "2009 oferece a ocasião de reforçar a política de governo mundial e de construir uma vontade política para restaurar a estabilidade financeira", afirma o Fórum Econômico Mundial. O informe - redigido pela resseguradora Swiss Re, o banco Citigroup, a seguradora Zurich Financial Services e a sociedade de bolsa americana Marsh & McLennan - servirá de base para as discussões da reunião anual do WEF, que será inaugurada em 28 de janeiro na cidade suíça de Davos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade