Economia

Petrobras deve investir cerca de R$ 60 bilhões em 2009

;

postado em 11/02/2009 21:35
O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, anunciou nesta quarta-feira (11/02) que a estatal investirá em 2009 cerca de R$ 60 bilhões para tocar os projetos da companhia - boa parte deles localizados na camada do pré-sal, onde a empresa descobriu grandes campos de petróleo leve. Falando a empresários ligados ao setor de petróleo, na Federação das Indústrias do Estado (Firjan), Gabrielli admitiu, no entanto, que para fazer frente ao ousado e robusto Plano de Negócios da estatal para o período 2009-2013, e que prevê investimentos de US$ 174,4 bilhões no período, a Petrobras terá que aumentar o seu endividamento, sem no entanto comprometer o ;grau de investimento; obtido pela estatal. Na ocasião, Gabrielli, assim como já havia feito esta semana o diretor de Gás e Energia da Companhia, Guilherme Estrella, afirmou de forma categórica que os fornecedores de bens e equipamentos da companhia terão que rever seus preços para baixo, uma vez que o país, em particular, e o mundo de uma maneira geral, vivem hoje uma nova realidade imposta pela crise financeira mundial. "É preciso que todos (os empresários) entendam que o mundo vive ma nova realidade e que a conjuntura econômica mudou em razão da crise mundial. Se os preços apresentados ficarem acima do que a Petrobras considera adequado, não vamos contratar. Vamos suspender as licitações e realizar outras, como aliás já o estamos fazendo;. Durante o detalhamento do Plano de Negócios, o presidente da Petrobras anunciou com entusiasmo os investimentos recordes feito pela Petrobras no ano passado, que chegaram a R$ 53,4 bilhões ; volume 18% superior ao de 2007. Recursos Gabrielli sustentou que a estatal brasileira do petróleo já tem os recursos necessários para investir nos próximos dois anos e, desta forma, atravessar o período considerado por muito como crítico para o futuro da economia mundial. Ele adiantou, ainda, que os projetos da empresa são viáveis e de retorno garantido, inclusive os da área do pré-sal, mesmo com o preço do barril do petróleo no patamar atual, em torno dos US$ 40 o barril. Chevron e Repsol O executivo não quis falar sobre o início dos trabalhos de exploração na Bacia de Barreirinhas, nos Lençóis Maranhenses, que começaram hoje. Segundo ele, a operadora do campo é a Chevron e que, portanto cabe a ela falar a respeito.Ele, no entanto, confirmou o início dos trabalhos exploratórios na região. O presidente da Petrobras, também sob a mesma argumentação, não quis comentar as declarações do diretor de exploração e produção da Repsol, Nemesio Cuesta, de que as reservas recuperáveis do bloco BM-S-9, tem entre 2 bilhões a 6 bilhões de barris de petróleo e gás natural. Produção dobrada Ainda sobre o pré-sal, depois de admitir a possibilidade de antecipação da produção da FPSO a ser instalada no campo de Tupi, com capacidade para produzir até 120 mil barris de petróleo por dia, Gabrielli confirmou para 2010 o início dos trabalhos do Projeto Piloto do mesmo campo ; na Bacia de Santos. Gabrielli previu que a estatal deverá dobrar a produção nacional de petróleo em um prazo de 12 anos. ;Nós estaremos aumentando a produção nacional em média em 8,8% até 2013, mesmo sem levarmos em conta o óleo do pré-sal. Com isto a produção de petróleo e gás equivalente deverá saltar dos atuais 2,7 par 3,6 milhões de barris por dia ; fora os 219 mil barris dia que já estaremos extraindo do pré-sal;. Na avaliação de Gabrielli, em 2020 somente a produção do pré-sal deverá chegar a 1,8 milhão de barris por dia mais (o dobro da produção atual), além de outros 40 milhões de metros cúbicos de gás natural.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação