Publicidade

Correio Braziliense

Bolsas europeias fecham em baixa com mineradoras

 


postado em 17/03/2009 15:46 / atualizado em 17/03/2009 15:46

As bolsas europeias fecharam em baixa nesta terça-feira, após cinco sessões seguidas de ganhos. As ações do setor de mineração tiveram queda, com a baixa nos preços dos metais e a notícia de que a produtora americana de alumínio Alcoa reduzirá investimentos e dividendos. A Bolsa de Londres fechou em baixa de 0,18% no índice FTSE 100, ficando com 3.857,10 pontos; a Bolsa de Paris caiu 0,87% no índice CAC 40, para 2.767,28 pontos; a Bolsa de Amsterdã teve baixa de 2,28% no índice AEX General, que ficou com 210,87 pontos; a Bolsa de Zurique teve ligeira variação negativa de 0,06%, ficando com 4.813,78 pontos no índice Swiss Market; a Bolsa de Milão teve baixa de 0,61% no índice MIBTel, que ficou com 11.558 pontos; e a Bolsa de Frankfurt teve queda de 1,40% no índice DAX, fechando com 3.987,77 pontos. O índice FTSEurofirst 300 --que reúne as ações das principais empresas europeias-- fechou em queda de 0,9%, com 714,48 pontos (durante o dia o indicador chegou a cair para 706,05 pontos). No ano, o índice acumula baixa de 14%, depois de perder 45% em 2008. Entre as ações que mais perderam hoje estiveram as BHP Billiton, Rio Tinto, Anglo American, Antofagasta e Eurasian Natural Resources, com quedas entre 2,7% e 9,3%. Os preços do cobre caíram 1,7%; os do níqul, 1,5%; e os do zinco, 2%. A Alcoa destacou que vai congelar contratações e salários em todo o mundo, mas disse que os investimentos previstos para o Brasil, de mais de US$ 750 milhões, serão mantidos. A Alcoa é a número um do mundo na produção de alumínio. A empresa foi seriamente afetada pela queda nos preços, em meio à crise global. O grupo sofreu uma queda de 69% do valor de suas ações no ano passado. "Temos visto comentários encorajadores de pessoas como Ben Bernanke (presidente do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), mas está claro que só esses comentários não vão ser suficientes", disse à agência de notícias Reuters o economista-chefe da KBC Securities, Luc Van Hecka. Bernanke disse no domingo (15/03), em entrevista ao programa 60 Minutes, da rede americana de TV CBS, que os Estados Unidos escaparam de cair em uma depressão, como a de 1929, e que a recessão "provavelmente" terminará no final deste ano. Além disso, Bernanke disse que nenhum grande banco americano é insolvente e prometeu que, se as coisas piorarem, o governo não os deixará quebrar, mas intervirá para evitar os efeitos de uma quebra no sistema financeiro. As ações do setor financeiro, no entanto, tiveram ganhos, com destaque para os papéis do HSBC ( 4%); do Natixis ( 9,8%); do Société Générale ( 3,9%); e do Dexia ( 3,9%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade