Publicidade

Correio Braziliense

Cai venda de material de construção

 


postado em 19/03/2009 08:37 / atualizado em 19/03/2009 08:39

A crise econômica derrubou a procura dos brasileiros por materiais de construção. A queda em relação a 2008 foi de 21,4% em fevereiro e de 18,5% no acumulado do primeiro bimestre. Os números, divulgados nesta quarta-feira (18/03) pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), mostram que o recuo nas vendas foi verificado tanto nos materiais de base, quanto nos de acabamento. Os primeiros tiveram 20,3% menos demanda e os segundos, 14,6%. Apesar do resultado negativo, no acumulado dos últimos 12 meses houve crescimento nas vendas de 7,4%. O setor aposta em uma recuperação com o anúncio do pacote de incentivo à construção civil pelo governo federal nos próximos dias e ainda levanta a bandeira de isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) por dois anos. “A falta de uma decisão sobre as condições do pacote e a data de seu anúncio cria uma indefinição para o setor. Mas a isenção geraria uma redução de custos dos materiais em média de 7%, beneficiando de imediato a baixa renda. Se as medidas não forem tomadas já, caminharemos para uma difícil recuperação”, afirma o presidente da Abramat, Melvyn Fox. Na expectativa do pacote e da possível recuperação que ele resultaria, o setor prevê um crescimento de vendas neste ano de 5% em relação a 2008. No Distrito Federal, os números também mostram uma radiografia pessimista do setor, de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Materiais de Construção do DF (Sindmac-DF), Cecin Sarkis. Em janeiro deste ano, o resultado ficou estável em relação ao mesmo mês do ano passado, mas, em fevereiro, as vendas despencaram 9%. “Brasília também está sofrendo, não existe esta situação de que aqui a crise não chegou. Há uma grande preocupação de como vamos reagir”, afirma. Preços Apesar da queda na demanda, os preços dos materiais de construção estão subindo acima da inflação, segundo números da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Os materiais de construção estão 0,66% mais caros no acumulado de 2009, enquanto o Índice Geral de Preços 10 (IGP-10) registra deflação de -0,62%.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade