Economia

Setor elétrico e eletrônico prevê queda de 2% nas vendas

;

postado em 06/06/2009 10:03
O setor elétrico e eletrônico deve apresentar este ano sua primeira queda de faturamento desde 2002. A Abinee, associação das indústrias do setor, reviu para baixo sua expectativa de receitas, projetando uma queda de 2%. A previsão anterior era de estagnação. O motivo foi o resultado do primeiro trimestre deste ano, que veio abaixo do esperado, principalmente em setores de consumo, como celulares e microcomputadores ;Os dados do primeiro trimestre foram bastante ruins e a indústria terá muita dificuldade para recuperar;, disse Humberto Barbato, presidente da Abinee. Segundo ele, o financiamento já retornou. ;Nosso problema é de confiança do consumidor. As pessoas param de comprar se estão com medo de perder o emprego. O faturamento setorial do primeiro trimestre apresentou queda de 12% ante o mesmo período de 2008. No ano passado, o crescimento havia sido de 10%. A única área que cresceu foi a de equipamentos de geração, transmissão e distribuição de energia, com expansão de 10% entre janeiro e março. A maior queda foi a de material elétrico de instalação, de 26%. ;Mesmo com o plano do governo de construção de casas, é um setor que demora um pouco para se recuperar;, explicou Barbato Apesar de não estar entre as maiores quedas, a baixa de 5% nas vendas da área de automação industrial preocupa. ;A Petrobras tem um peso muito grande nessa área, e os projetos da Petrobras continuam;, apontou Barbato. ;Outros setores de peso na automação industrial, como siderurgia, papel e celulose e açúcar e álcool, estão muito parados. Se não houver uma retomada, o nível de emprego pode cair.; Entre outubro e março, o indústria elétrica e eletrônica perdeu cerca de 6 mil empregos A diminuição no mercado elétrico e eletrônico vem após um período de expansão forte. Entre 2003 e 2008, o faturamento do setor praticamente dobrou, chegando a R$ 123,1 bilhões no ano passado. No trimestre passado, as vendas da indústria de informática caíram 16% e as de telecomunicações, 9%. Nos últimos anos, a demanda forte por PCs e celulares foi um dos destaques da indústria.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação