Publicidade

Correio Braziliense

Indústria tem o pior resultado na geração de emprego no semestre


postado em 16/07/2009 18:15 / atualizado em 16/07/2009 18:16

A indústria de transformação teve o pior resultado na geração de emprego no primeiro semestre desse ano, segundo dados do Cadastro geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (16/7). O saldo de geração de empregos nesse setor nos seis primeiros meses do ano ficou negativo em 144. 477 trabalhadores.

A indústria só começou e ter saldos positivos mensais de novos empregos a partir de abril. Foi um movimento diferente do restante da economia que passou a ter saldos positivos em fevereiro. Naquele mês, o Brasil criou 9.179 novos postos de trabalho com carteira assinada. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, se diz otimista quanto a geração de empregos no setor e afirma que no segundo semestre vai acontecer a "virada" no setor da indústria. "Acredito que nos vamos ter um segundo semestre parecido com o primeiro semestre de 2008, embora estejamos num período de crise. Os dados apontam crescimento e solidez desse crescimento da economia", disse. Apesar do otimismo, Lupi admite que esse setor é o que mais demorou a se recuperar da crise por causa da dependência do mercado externo. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sergio Nobre, acredita que a indústria possa se recuperar e gerar novos empregos. Contudo, isso vai depender do mercado interno e nem tanto das expoprtações que continuam em queda neste ano. "O mercado interno deve impulsionar a recuperação. A diferença em relação aos países desenvolvidos é de que eles têm toda a infraestruturaa construída, portos, aeroportos, trens, que o Brasil não tem isso. Aqui há toda uma infraestrutura para ser feita, o que dá potencial enorme de crescimento interno a ser explorado. A saída é se voltar para o mercado interno", explicou. Nobre disse ainda que no início da crise muitas empresas demitiram trabalhadores além da conta eque agora montadoras de automóveis e empresas fornecedoras de auto peças estão voltando a contratar novos trabalhadores. "Há sinais de recuperação", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade