Publicidade

Correio Braziliense

Receita Federal: grupos em pé de guerra


postado em 05/09/2009 08:20 / atualizado em 05/09/2009 09:50

As disputas entre os vários grupos que compõe a Receita Federal, antes eram veladas, ganharam o campo do embate. Em claro recado aos auditores que integraram a gestão da ex-secretária Lina Vieira, o Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários (Sindireceita) divulgou ontem artigo em que critica as ações de exposição das mazelas do órgão. Reconheceu, no texto, o conflito como “a maior crise institucional por que passa a Receita Federal do Brasil nos seus 41 anos de existência”.

Em nota, o sindicato atacou os auditores exonerados e os taxou de “membros de uma facção sindical”. Reclamou ainda das acusações e insinuações plantadas por esses servidores acerca das denúncias de interferência política no comando da Receita. E garantiu: “Até aqui, não há sinais de que o governo procurou interferir nas atividades do Fisco”.

Vazamento
A carta veio à tona no mesmo dia em que se encerrou a votação para escolha da lista tríplice com nomes que possam vir a substituir o atual secretário, Otacílio Cartaxo. A ideia é constranger o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que tem patinado na condução do processo de troca de comando na Receita. Nos bastidores do órgão, o clima é de insatisfação. “Há uma divisão clara na Receita. Alguns auditores acreditam que a briga (pela lista) é correta. Outros creem que não”, conta uma fonte do Fisco. Na internet, o bate-boca entre servidores simpatizantes dos dois grupos esquenta as listas de discussão. “Na nossa intranet (página oficial da Receita), todo dia tem um comentário diferente”, revelou a mesma fonte.

Também ontem foi publicada no Diário Oficial da União a portaria que nomeia Marcus Vinícius Neder de Lima para o cargo de subsecretário de Fiscalização. Servidor da Receita há 24 anos, o auditor chega para ocupar um dos cargos mais importantes e visados do Fisco, que era ocupado por Henrique Jorge Freitas, um dos servidores que assinou o manifesto botando seu cargo à disposição, há três semanas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade