Publicidade

Estado de Minas

Stephanes defende autosuficiência na produção de trigo


postado em 25/12/2009 15:50 / atualizado em 25/12/2009 15:56

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse que o governo precisa decidir, no início do próximo ano, se o Brasil deve ou não ser autossuficiente na produção de trigo. Para ele, a autossuficiência é uma questão estratégica e uma forma de equilíbrio para muitos produtores, principalmente os de milho e soja, maiores lavouras do país, que cultivam trigo em suas terras no inverno.  

“Isso mantém um equilíbrio para continuarem produzindo e também mantém empregos, evitando aquele problema de várias regiões do Brasil, que  empregam na safra e desempregam na entressafra, e mantendo a economia de milhares de municípios”, afirmou.

Para incentivar o aumento da produção, que em 2009 foi de 5 milhões de toneladas, o ministro disse que é preciso adotar uma política de médio e longo prazos. O consumo anual de trigo no país é de aproximadamente 10,5 milhões de toneladas, o dobro do que é produzido. “Temos que evitar a importação de trigo que vem subsidiado dos Estados Unidos e do Canadá, em momentos prévios à nossa safra porque, aí, os moinhos estocam e pressionam os preços para baixo”, afirmou.

Além disso, Stephanes disse que é preciso definir melhor o acordo de importação da Argentina, para evitar que o trigo de lá chegue ao Brasil na época da colheita. Por estar dentro do Mercosul, o trigo argentino não é taxado quando entra no Brasil. O cereal de outros países fora do bloco de integração econômica, como Estados Unidos e Canadá, entra no país com taxa de 10%, referente à Tarifa Externa Comum (TEC).

O Ministério da Agricultura, entretanto, já levou uma proposta de aumento da TEC para 35% à Câmara de Comércio Exterior (Camex), que está analisando os impactos que a medida pode ter no preço final do pão, que acaba interferindo na inflação. De acordo com Stephanes, se o Brasil se decidir pela autossuficiência, no próximo plano safra aparecerão novidades para incentivar a produção de trigo, como a redução nos juros dos financiamentos para a atividade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade