Publicidade

Correio Braziliense

Aircross chega ao mercado para inaugurar o segmento aventureiro da Citroën


postado em 02/09/2010 11:00

Débora Geraldes -Enviada especial

Rio de Janeiro — Conhecida por investir na ousadia dos traços dos designers e lançar veículos que mais se parecem com carros-conceito, a Citroën volta à cena no setor automobilístico com o Aircross. Só que desta vez privilegiando os países da América Latina — principalmente o Brasil, como destacaram os executivos da montadora, durante o lançamento oficial para jornalistas especializados, no Rio de Janeiro. O modelo segue a fórmula “aventureira” de sucesso e pretende brigar por uma fatia de 22% desse mercado, que vendeu 110 mil unidades em 2009, aumentando a participação da marca dos atuais 2,5% para 3,5%. O Aircross recebeu investimentos de 180 milhões de euros e chega para enfrentar Idea/Palio Weekend Adventure, EcoSport, CrossFox, entre outros tantos pseudo off -roads.

O monovolume compacto tem a base do C3 nacional, alongada 80mm, e o DNA do C3 Picasso, modelo apresentado no Salão de Paris de 2008 e lançado em 2009 no mercado europeu. Para chegar ao resultado — que desembarca este mês nas concessionárias da marca —, os engenheiros projetam um carro mais alto (1,69m) em relação ao C3 Picasso, com capô elevado, grandes faróis e tomada de ar, além de barras longitudinais em alumínio no teto, que se estendem do para-brisa até a traseira, e do estepe do lado de fora. Para completar o visual aventureiro, pneus de uso misto, apliques e molduras plásticas na carroceria e acabamento esportivo.

Elegância
Por dentro, cromado e couro invadem a cabine (na versão top), que traz painel de instrumentos com mostradores analógicos voltados para o motorista — lembram os dos modelos DS3 e C5 — e muito espaço interno. O volante é multifunção (com comandos de rádio/CD e outras coisinhas agregadas). Acima do painel, como item opcional, inclinômetro e bússola.

A posição mais alta do motorista é outro ponto de destaque, assim como o grande para-brisa(1) inclinado (a Citroën chama de panorâmico, já usado em outros modelos da marca), melhora a visibilidade. Completam o pacote as conhecidas mesinhas do tipo avião, mas o item só está disponível na versão mais cara, infelizmente para quem tem criança em casa. E por falar nos passageiros, o espaço interno agrada — segundo a Citroën, o entre-eixos é de 2,54m, medida bem próxima à dos sedãs médios.

As linhas e os adereços chamam a atenção do novo monolume, que vai enfrentar VW CrossFox e Idea Adventure, entre outros(foto: Jean Bidault/Citroen/Divulgação )
As linhas e os adereços chamam a atenção do novo monolume, que vai enfrentar VW CrossFox e Idea Adventure, entre outros (foto: Jean Bidault/Citroen/Divulgação )
A traseira, bem diferente em relação à do C3 Picasso, ganhou maior volume, com o estepe fixado do lado de fora da carroceria, além de um para-choque mais encorpado. Mas o vidro pequeno dificulta a visibilidade nas manobras de estacionamento, principalmente por causa do espaço tomado pelas lanternas verticais e pela coluna traseira. O porta-malas, com capacidade para 403 litros, chega a 1.500 litros quando os bancos traseiros são rebatidos.

O Aircross chega em três versões de acabamento — GL, GLX e Exclusive — e a única motorização de 1,6 litro 16V flex (110/113cv a 5.800 rpm). Uma versão mais potente, assim como a tração 4x4 não estão nos planos da Citroën para o Aircross. Já o câmbio automático deve equipar o monovolume aventureiro até o fim de 2011.

Como o carro pesa 1.400kg, as relações de marcha precisaram ser encurtadas (em 15%), segundo informações da engenharia, para deixá-lo mais ágil no trânsito urbano (com destaque para as arrancadas). Mesmo assim, equipado com o motor 1.6, ele custa a “atender” nas retomadas de velocidade. O recurso é apelar mais vezes para as reduções de marcha.

Pelos cálculos da Citroën, a versão intermediária (R$ 56.400) é a que deve liderar as vendas no mercado brasileiro: cerca de 60%, enquanto a top Exclusive (R$ 61.900), 35%, e a básica (R$53.900), apenas 5%. A expectativa é comercializar 2 mil veículos Aircross por mês, fechando o ano com 85 mil unidades vendidas no Brasil, um crescimento de 24% em relação a 2009.

A jornalista viajou a convite da Citroën

1 - Revestimento acústico
Além de panorâmico, o para-brisa do Aircross é acústico. Ele ganhou uma lâmina com três camadas, um delas antirruído, para ajudar na reduzir os barulhos externos, que geralmente entram na cabine. O produto foi desenvolvido pela empresa Saint-Gobain Sekurit, uma tecnologia inédita no segmento.

Quanto custa

Aircross GL

R$ 53.900 * Principais itens de série
* Ar-condicionado, computador de bordo, trio elétrico, porta-malas com travamento elétrico, volante multifunção, barras de teto, bancos rebatíveis 1/3 e 2/3.

GLX
R$ 56.400 **
** Rádio com CD, MP3 e entrada para iPod, banco do motorista com regulagem de altura, rodas de liga aro 16, bússola/inclinômetro, vidros traseiros elétricos, faróis de neblina

Exclusive
R$ 61.900 ***
*** Rádio com CD, MP3, entrada USB e iPod, Bluetooth, piloto automático, freios ABS, airbag, bancos em couro, mesinhas tipo avião


O número
1 milhão

Total de quilômetros rodados pelo Aircross, entre agosto
de 2009 e maio de 2010.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade