Publicidade

Estado de Minas

Diretor do BNDES nega-se a escolher entre Carrefour e Casino


postado em 07/07/2011 17:37

PARIS - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) afirmou nesta quinta-feira que se nega a escolher entre o gigante varejista francês, Carrefour, e seu rival Casino na batalha pelo controle da cadeia de supermercados CBD Pão de Açúcar, líder do setor no Brasil, conforme declarações de seu diretor, Luiz Eduardo Melin.

"De nenhum modo se trata de eleger um grupo em um conflito do setor privado", afirmou Melin, diretor do BNDES durante uma conferência sobre o Brasil organizada em Paris pelo semanário britânico The Economist.

O ministro brasileiro da Fazenda, Guido Mantega, também já afirmou que o governo não vai intervir. "É uma decisão do BNDES e não do executivo. É um caso comercial privado e não um assunto governamental", disse.

O Carrefour é o número um da distribuição no Brasil. O CBD Pão de Açúcar é controlado por Wilkes, holding do grupo também francês Casino com o grupo Diniz, fundado pelo próprio empresário Abilio Diniz.

O BNDES havia anunciado na semana passada que estava disposto a desembolsar até 2 bilhões de euros (2,9 bilhões de dólares) para uma eventual fusão de ativos entre Carrefour e Pão de Açúcar no Brasil, origem do conflito com Casino, um dos principais acionistas do CBD. Contudo, em seguida, disse que sua participação na operação estará condicionada à definição de um acordo entre CBD e Casino. Casino e seu diretor Jean Charles Naouri recusaram o projeto e o qualificaram de "expropriação" e de "erro estratégico".

Na terça-feira, um porta-voz do Casino afirmou que o BNDES havia advertido durante uma reunião entre Naouri e o presidente do banco, Luciano Coutinho, que não respaldará uma operação "hostil".

Desde que apareceram os primeiros rumores sobre a fusão, o Casino, histórico sócio do CBD Pão de Açúcar, aumentou sua participação direta no CBD em duas ocasiões: em junho a elevou a 3,3% e na quinta-feira passada a 6,2%. Agora, o Casino possui 43,1% do distribuidor brasileiro e segundo um pacto de acionistas alcançado em 2006, em 2012 deverá assumir o controle do CBD.

O BNDES havia afirmado nesta semana que a fusão permitirá um "processo de internacionalização do grupo Pão de Açúcar", mas alguns membros do banco se opuseram com firmeza à participação do BNDES em um negócio desse tipo. Além disso, duas comissões da Câmara dos Deputados já convocaram Coutinho para explicar a posição do organismo sobre o projeto de fusão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade