Publicidade

Estado de Minas

Obama se reúne com líderes do Congresso para evitar crise fiscal


postado em 28/12/2012 16:15 / atualizado em 28/12/2012 20:28

Washington - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Barack Obama, e os líderes do Congresso estiveram reunidos nesta sexta-feira (28/12) para tentar evitar uma crise fiscal que atingiria o país a partir de primeiro de janeiro.

Segundo uma autoridade dos EUA, as conversas acabaram após uma hora e cinco minutos nesta sexta-feira, sem resultados oficiais.

Obama esteve reunido com o presidente republicano da Câmara dos Deputados, John Boehner, o chefe da minoria republicana do Senado, Mitch McConnell, assim como seus aliados democratas: o chefe da maioria no Senado, Harry Reid, e a líder da minoria na Câmara, Nancy Pelosi.

Nesta reunião privada no Salão Oval os dirigentes discutiram o temido "abismo fiscal", que consiste em uma série de cortes automáticos nos gastos públicos e aumentos de impostos, o que poderia levar o país à recessão, segundo analistas.

Contudo, o tempo está apertado para evitar ajustes de 500 bilhões de dólares a serem colocados em prática de maneira automática a partir de terça-feira.

Leia mais notícias em Mundo


De acordo com uma fonte próxima às negociações, Obama disse que não vai fazer uma nova oferta para os republicanos. Além disso, ele deverá pedir uma extensão do seguro-desemprego para 2 milhões de trabalhadores.

Ele também irá dizer aos republicanos que se não houver uma contra-proposta para evitar o abismo fiscal, eles devem permitir que seu plano seja votado em ambas as câmaras do Congresso, disse a fonte.

Tal cenário deixaria os republicanos em uma situação política difícil, pois, caso eles não aceitem essa proposta, seria fácil para a Casa Branca culpá-los pelo abismo fiscal.

Caso não haja acordo até segunda-feira, na terça-feira as isenções fiscais para a maioria dos contribuintes, adotadas durante a presidência de George W. Bush, expirarão e, além disso, entrarão em vigor drásticos cortes no gasto público.

Os impostos de quase todos os contribuintes norte-americanos aumentarão em 2.200 dólares, segundo a Casa Branca. Os cortes, consequência de um pacto entre democratas e republicanos em 2011, seriam sentidos, sobretudo, no orçamento de Defesa e poderiam derivar em numerosas demissões.

Segundo os economistas, um problema desta natureza poderia arrastar a economia norte-americana novamente à recessão.

O executivo democrata e o Congresso, cuja câmara baixa, chave em questões de orçamento e fiscais, é dominada pelos republicanos, não conseguem se entender sobre os mecanismos para reduzir o déficit público.

Ao ser reeleito em novembro, Obama prometeu aumentar os impostos a quem ganha mais de 250.000 dólares (2% dos núcleos fiscais).

Boehner, principal interlocutor do presidente nesta crise, se disse aberto a aumentar as receitas fiscais, mas não a uma alta de impostos aos mais ricos.

A Câmara já votou um plano, rejeitado pelo Executivo porque estabelecia cortes de gastos muito baixos.

Em um gesto que transparece o bloqueio nas discussões, antes da reunião desta sexta-feira, o escritório de Boehner afirmou que "continuará insistindo sobre o fato de que a Câmara já votou um plano para evitar o abismo fiscal e que é agora o Senado que tem que agir".

Harry Reid, o chefe dos democratas no Senado, acusou Boehner na quinta-feira pelo impasse e se disse pessimista sobre a perspectiva de um acordo antes do dia primeiro de janeiro.

Para o editorialista do jornal especializado Politico, Jonathan Allen, as duas partes têm interesse em não alcançar um acordo: no dia primeiro de janeiro, Obama terá conseguido um aumento de impostos aos mais ricos.

"Para muitos republicanos, o abismo (fiscal) quer dizer fazer a responsabilidade de uma forte alta de impostos pesar sobre o presidente (...) e logo votar a reduzir os impostos da maioria dos norte-americanos no próximo mês", explicou.

"No momento, o jogo político é o das aparências", acrescentou Allen.

Enquanto isso, os mercados foram afetados pelo pessimismo e o Dow Jones fechou em queda de 1,21%, aos 12.938,11 pontos.

Soma-se a esta situação problemas sobre o teto da dívida. Os Estados Unidos já estiveram muito próximos do default em 2011 pela insistência dos republicanos em compensar o aumento do limite de endividamento autorizado com cortes de gastos.

O secretário do Tesouro, Timothy Geithner, alertou que o teto legal da dívida seria alcançado na segunda-feira e que "medidas excepcionais" serão adotadas em breve para evitar uma moratória.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade