Publicidade

Estado de Minas

Planalto escolhe o Exército como referência em engenharia e logística

Agilidade na execução, baixo custo e amplo domínio de ferramentas digitais de gestão levaram a decisão


postado em 03/11/2013 06:00 / atualizado em 02/11/2013 20:05

General Joaquim Brandão: empreitada não contabiliza mão de obra(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
General Joaquim Brandão: empreitada não contabiliza mão de obra (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Brasília e São Paulo — A presidente Dilma Rousseff se convenceu de que o Exército tem a melhor experiência e a mais avançada tecnologia para servir de modelo em todas as investidas do setor público na área de infraestrutura. Após liderar e sustentar o ritmo de 16 importantes projetos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), a instituição foi convocada pela “comandante suprema das Forças Armadas” para uma tarefa mais audaciosa. Ela quer que os engenheiros militares estabeleçam o padrão gerencial de planejamento e de execução de obras. Esse esforço estará completo no lançamento de portal na internet dedicado ao tema, até 2015.

Leia mais notícias em Economia


A meta é fazer com que todos os empreendimentos federais atinjam o mesmo patamar de eficiência, economia e rapidez obtido pelas tropas nos canteiros, cujos convênios despertam grande interesse. Hoje, 20 projetos estão nas mãos dos 12 batalhões de engenharia espalhados por todo o território nacional, orçadas em R$ 1,2 bilhão. “O nosso desempenho e o nosso custo não podem ser comparados aos das empreiteiras privadas, pois temos muitas diferenças em relação a elas. Os militares encaram as obras não como negócio, mas como missão”, pondera o general Joaquim Brandão, chefe do Departamento de Engenharia e Construção (DEC).

A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade