Publicidade

Estado de Minas

Apagão pode ter sido causado por raio, diz ONS. Relatório sai em 15 dias

Hermes ainda negou que os picos recordes de consumo de energia tenha provocado o problema


postado em 06/02/2014 17:47 / atualizado em 06/02/2014 17:53

O apagão que deixou as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste sem energia nessa terça-feira (4/2) pode ter sido provocado por um raio, segundo declarou o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp. O relatório final apontando as causas do blecaute deve ficar pronto em 15 dias. Hermes negou que os picos recordes de consumo de energia tenha provocado o problema.

Nesta quinta, Chipp disse os técnicos precisam de tempo para fazer a avaliação, afirmou. "Quando cai um avião, esperam-se dois anos para descobrir o que houve com a caixa-preta. Isso é mais ou menos parecido, só que a gente nunca demora mais de um mês [para esclarecer]."

De acordo com o diretor do ONS, normalmente, os técnicos não apontam a causa sem uma avaliação mais acurada. “[Eles] fazem a leitura de grandezas elétricas, de tensão de correntes. Observam equipamentos, com fotos, às vezes, se houve indício de dano em algum isolador, se algo foi chamuscado, se a origem foi essa, se foi um raio que causou o curto.” Tudo isso tem que ser visto para dar informação precisa, explicou Chipp.

Leia mais notícias em Economia

Ele acrescentou que serão verificadas também todas as medidas e providências que têm de ser tomadas para evitar a repetição do problema, identificar a causa e como foi possível [ocorrer]. Só se conclui o relatório quando ele é enviado para a agência. que tem o poder de fiscalizar tudo que se identifica e se conclui", explicou.

No blacaute, o fluxo de energia foi interrompido por quase 40 minutos em 13 estados brasileiros, além do Distrito Federal. A estimativa é de que aproximadamente 6 milhões de pessoas tenham ficado sem energia. Em relação as condições de abastecimento, Hermes Chipp disse que o ONS está focando no curto prazo para administrar o sistema durante esse período de escassez.

O receio é de que se não chover em níveis adequados nas próximas semanas e o consumo continuar crescente nas horas mais quentes do dia o Sistema Interligado Nacional (SIN) poderá sofrer um colapso. A exemplo da série de apagões de grandes proporções que vêm atingindo o país desde 2008, os especialistas enxergam crescente fragilidade do setor energético, já que projetos importantes, que ampliariam a oferta de energia, como a Usina de Belo Monte, estão atrasados por má execução.

Com informações da Agência Brasil

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade