Publicidade

Estado de Minas

Lobão diz que não há risco de faltar energia "em nenhuma circunstância"

Segundo ele, não haverá problemas de abastecimento mesmo se os reservatórios não atingirem os 43% até abril, conforme recomendação do ONS


postado em 19/02/2014 16:16 / atualizado em 19/02/2014 16:23

Lobão disse que o suprimento de energia do país está garantido com o uso de térmicas, mesmo com o custo mais caro de produção de energia(foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)
Lobão disse que o suprimento de energia do país está garantido com o uso de térmicas, mesmo com o custo mais caro de produção de energia (foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta terça-feira (19/2) que não há risco de desabastecimento de energia no país, mesmo que o nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste não chegue a 43% até abril, como prevê o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Segundo ele, não haverá problemas de abastecimento “em nenhuma circunstância”, mas o governo deseja que chegue a esse nível, considerado “confortável”.

“Mesmo que não se chegue a esse nível, não teremos desabastecimento em nenhuma circunstância. Mas nós desejamos que chegue a abril nesse nível”, disse. Ontem (18), o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, disse que o órgão espera que os reservatórios das hidrelétricas do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste cheguem ao final de abril com armazenamento médio de água em pelo menos 43% da capacidade total.

Leia mais notícias em Economia

Segundo ele, esse índice é suficiente para garantir o fornecimento de energia no país, em 2014 e em 2015. Ontem, o nível dos reservatórios do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste estava em 35,33%, segundo o ONS.

Lobão disse que o suprimento de energia do país está garantido com o uso de térmicas, mesmo com o custo mais caro de produção de energia. “As térmicas são feitas para isso, são uma reserva estratégica em um momento de dificuldade". Segundo ele, o governo sabia. desde que as usinas termoelétricas foram construídas, que o acionamento delas custaria mais caro. Ele acrescentou que o governo ainda não decidiu se aumentará o aporte do Tesouro, para cobrir o custo das térmicas e evitar que o preço seja repassado para os consumidores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade