Publicidade

Estado de Minas

OCDE: fim dos estímulos monetários deve provocar reformas nos emergentes

Segundo o secretário-geral da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), a decisão do Fed era inevitável e os países emergentes deveriam estar preparados há muito tempo


postado em 21/02/2014 09:38

O pânico provocado em alguns países emergentes pela redução do programa de ajudas do Federal Reserve (Fed, banco central americano) deve estimular estas nações a acelerar suas reformas econômicas, afirmou o secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría.

A redução das compras mensais de ativos por parte do Fed e as expectativas de um aumento das taxas de juros nos Estados Unidos levam os investidores a deixar países emergentes como Argentina, Índia, Rússia, África do Sul ou Turquia, cujas moedas registraram forte desvalorização nos últimos meses.

Leia mais notícias em Economia

Segundo o secretário-geral da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), a decisão do Fed era inevitável e os países emergentes deveriam estar preparados há muito tempo.

"Não é o problema do fim das ajudas (do Fed), isto era previsível, inevitável e desejável, porque significa o retorno à normalidade", declarou Gurría na cidade australiana, que recebe no sábado uma reunião do G20.

"Quais são os países que mais sofrem? Os que têm maiores déficits correntes, os que tinham reformas pendentes antes do anúncio do Fed da redução de sua política de flexibilidade monetária", explicou Gurría. "Isto é um pedido de ação, para acelerar as reformas nos países emergentes", completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade