Publicidade

Estado de Minas

Moreira Franco diz que governo quer evitar blecautes em aeroportos na Copa

Ministro da Secretaria de Aviação Civil diz que aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, é o único em que há esse risco


postado em 25/04/2014 18:33

O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, disse nesta sexta-feira (25/4), em sua conta no microblog Twitter, que o governo está trabalhando para evitar que falte energia nos aeroportos durante a Copa do Mundo. Segundo ele, o aeroporto do Galeão (RJ) é o único em que há esse risco, e uma reunião para debater o assunto está mercada para o dia 5 de maio com a concessionária do aeroporto, o Ministério de Minas e Energia, a distribuidora Light e a Infraero.

“Tivemos falta de energia várias vezes, por pouco tempo, mas muito prejudiciais. A Light diz que é o Galeão, e o Galeão diz que é a Light. Por isso, vou colocar Light e Galeão frente a frente no próximo dia 5, para esclarecer a questão”, disse o ministro, ao responder perguntas de internautas.

Moreira Franco também falou sobre a política de preços que será adotada nos aeroportos. Uma participante reclamou do custo do estacionamento no Aeroporto Santos Dumont (RJ) e perguntou se os preços vão permanecer altos. O ministro explicou que a Infraero definiu uma política comercial para os aeroportos há poucos meses. “Lojas de roupas e joias são secundárias. Focando no essencial teremos preços adequados. O objetivo dessa política é garantir preços adequados. Para isso é necessário focar no essencial, alimentação e estacionamento”, escreveu.

Outro internauta perguntou por que o pão de queijo e o cafezinho são tão caros nos aeroportos. Moreira Franco disse que o preço do aluguel cobrado das lojas que vendem comida são os mesmos cobrados de lojas de joias. “Isso vai mudar, com a nova política comercial”, garantiu.

Leia mais notícias em Economia

O ministro foi questionado sobre os atrasos em obras de aeroportos, principalmente para a Copa do Mundo. Sobre o aeroporto de Fortaleza (CE), Moreira Franco informou que, para a Copa, foi contratado um terminal provisório de padrão internacional, como os usados em Londres e na África do Sul. “Como obra em execução, a Infraero tem um problema grande e grave, que terá de resolver”, tuitou o ministro. Ele disse não estar satisfeito com a situação do terminal. “Precisamos obrigar setor público e prestadores de serviço a cumprir contratos. As duas partes leem, mas não cumprem. Por isso tivemos situações como a de Goiânia e Vitória no passado”.

Em relação ao aeroporto de Natal, que tem previsão de ficar pronto no final de maio, Moireira Franco disse que a situação não é preocupante. “Todas as medidas já foram tomadas para iniciar a operação no dia 22. A parte física está concluída”. Segundo ele, um dos acessos rodoviários ao aeroporto foi concluído, e garantirá operação imediata do terminal.

Ele também comentou a retomada das obras no aeroporto de Goiânia. “Quando assumi a SAC a obra de Goiânia tinha cinco anos parada. O presidente da Infraero trabalhava junto aos tribunais para retomá-la. Hoje, ela foi retomada, e está cumprindo o cronograma. Queremos fazer o mesmo com o aeroporto de Vitória”. Ele garantiu que o aeroporto de Cuiabá estará funcionando para a Copa.

Outro assunto abordado foi a possibilidade de greve da Polícia Federal (PF) durante a Copa. “Não acredito em greve. Mas, se houver, encontraremos solução de pessoal para que a imigração se dê normalmente”, respondeu Moreira Franco. Ele também garantiu que tanto a PF quanto a Interpol e órgãos de segurança do Brasil estão preparados para enfrentar o risco de terrorismo durante a Copa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade