Publicidade

Estado de Minas

Pesquisa aponta Brasil com piores perspectivas de emprego na América Latina

'Os empregadores do país (Brasil) indicam as intenções de contratação mais fracas em comparação com toda a região das Américas, pela primeira vez desde que o estudo começou (em 2009)', indica o relatório


postado em 10/06/2014 21:48

Panamá - O Brasil é o país com as piores perspectivas no mercado de trabalho para o próximo trimestre na América Latina, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta terça-feira no Panamá.

A empresa de recursos humanos Manpower consultou 30.000 executivos da área em empresas de dez países do continente. A pesquisa indica que o Brasil tem 7% de tendência líquida de criar empregos (diferença entre empresas que pretendem aumentar o número de funcionários e as que preveem reduções).

Esse percentual é o pior da América Latina, de acordo com a pesquisa, com margem de erro de 3,9%.

"Os empregadores do país (Brasil) indicam as intenções de contratação mais fracas em comparação com toda a região das Américas, pela primeira vez desde que o estudo começou (em 2009)", indica o relatório.

Leia mais notícias em Economia

Segundo Herlinda Mendieta, gerente da Manpower e encarregada de apresentar o estudo, as causas dessa queda nas perspectivas trabalhistas brasileiras para o próximo trimestre estão ligadas ao fim da Copa do Mundo.

"Para o Mundial, quem tinha que ser contratado já foi contratado" e, para os próximos meses, já não será necessário contratar esses funcionários temporários, disse Mendieta.

O Brasil perdeu 15 pontos em perspectiva de emprego em um ano, a maior queda entre os países estudados, e cinco pontos percentuais no último trimestre.

Na outra ponta da lista está o Peru, com 18%, apesar de dois em cada três empresários peruanos enfrentarem dificuldades na busca por mão de obra qualificada.

O Peru é seguido por Colômbia (16%), Costa Rica (16%), Panamá (15%), Estados Unidos (14%) e México (14%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade