Publicidade

Estado de Minas

"Estamos trabalhando com superavit", diz Guido Mantega

Para o ministro da Fazenda, um bom sinal de que a economia está voltando a ascender é o resultado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central, que apontou crescimento de 0,6% no terceiro trimestre


postado em 19/11/2014 12:05 / atualizado em 19/11/2014 12:17

Após a perda de fôlego da inflação na prévia do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que registrou um crescimento de 0,38% nos 30 dias terminados em 15 de novembro, o ministro da Fazenda Guido Mantega assegurou que a economia começa a caminhar para uma recuperação. Segundo ele, apesar do esforço do governo para alterar a meta de superavit primário prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) no Congresso Nacional, o país fechará as contas com saldo positivo em 2014.

“O IPCA-15 apresentou um resultado de desaceleração em relação ao mês anterior, significa que a inflação está crescendo menos, o que é uma boa notícia. Nessa época do ano normalmente a inflação estaria acelerando um pouco, e ela não está. Outra boa notícia é o desemprego, que caiu mais ainda”, afirmou. Ele cita ainda avanços no setor de serviços e no crédito e retomada das vendas de carros e do varejo.

Para ele, outro bom sinal de que a economia está voltando a ascender é o resultado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado na última segunda-feira, que apontou crescimento de 0,6% no terceiro trimestre. “É um bom número. Se isso se confirmar no PIB, significa que não terá havido recessão, porque um dos dois trimestres que eram negativos no primeiro semestre se tornará positivo”, disse.

Leia mais notícias em Economia

Apesar dos cinco meses seguidos de déficit primário, o ministro garantiu ainda que teremos superavit – a economia que o governo faz para pagar os juros da dívida – este ano. “Nós estamos trabalhando para ter superavit esse ano, a mudança na LDO significa que nós poderemos fazer um abatimento maior este ano, abatendo também as desonerações que fizemos”, prometeu. “O que melhora o primário é o crescimento maior da economia. E nesse segundo semestre está havendo sim crescimento. Então isso ajudará inclusive o ano que vem. Poderemos entrar em 2015 com a economia se recuperando com uma taxa de crescimento maior. E isso nos ajudará a fazer um primário de 2% em 2015”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade