Publicidade

Estado de Minas

Crescimento médio do PIB, com Dilma, só não foi pior que o de Collor

Em 2014, o PIB avançou 0,1%, resultado considerado pífio


postado em 27/03/2015 13:03 / atualizado em 27/03/2015 13:13

Quando se fala em crescimento econômico, a marca do governo Dilma Rousseff é a da decepção. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mesmo com a revisão, para cima, dos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) de 2011, 2012 e 2013, a média de crescimento no primeiro mandato da petista foi de 2,1%, o pior resultado desde o governo Collor, que foi deposto por corrupção, com retração de 1,7%.

Em 2014, o PIB avançou 0,1%, resultado considerado pífio. Para os especialistas, os números da economia do governo Dilma mostram que a presidente errou na condução das políticas. Logo depois que assumiu, ela adotou, em conjunto com o então ministro da Fazenda, Guido Mantega, o que chamou de "nova matriz econômica", aceitando inflação mais alta e adotando medidas intervencionistas, como a de baixar, à força, as tarifas de energia elétrica.

Leia mais notícias em Economia

A perspectiva é de que 2015 tenha queda de ao menos 1% e 2016, ligeiro crescimento. Isso indica que, no total, os oito anos de Dilma serão de fraco resultado do PIB, com o Brasil perdendo vantagem em relação às demais economias do mundo. Tudo indica que, ainda neste ano, o país perderá para a Índia, que deve avançar 7,7%, o posto de sétima economia do planeta.

Nos dois governos de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, o salto médio do PIB foi de 2,6% e 2,3%, respectivamente. No primeiro governo de Lula, do PT, a taxa média de expansão foi de 3,5% e, no segundo, de 4,6%. Dilma conseguiu ser pior até que os governos dos anos de 1980, chamados de década perdida.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade