Publicidade

Estado de Minas

Servidores fazem manifestação por reajuste em frente ao Planejamento

Durante o ato, o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, foi impedido de entrar no prédio do Ministério


postado em 27/08/2015 10:32 / atualizado em 27/08/2015 10:53

Os servidores reivindicam reajuste 27,3% para 2016(foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)
Os servidores reivindicam reajuste 27,3% para 2016 (foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)

Mais de 500 servidores públicos federais, de cerca de 22 entidades, fazem nesse momento um ato de protesto em frente ao Ministério do Planejamento, no bloco C. O movimento chamado “Marca dos SPF”, já estava programado, mas tomou força após o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, enviar, nesta quarta-feira (26/8), a contra proposta do governo nos mesmos termos que havia sido apresentada anteriormente e que já tinha sido recusada pelo conjunto do funcionalismo. A manifestação teve início às 9h desta quinta-feira (27/8), mas não afetou o trânsito na região, que continua fluindo normalmente.

Hoje pela manhã, o secretário foi impedido pelos servidores de entrar no prédio do Ministério do Planejamento. Nesse momento, segundo informou o Diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Serviço Público Federal, Josemilton Costa, Sérgio Mendonça está na sede do Denit, no Setor de Autarquias Sul, onde conversa com um grupo de trabalhadores do Fórum Nacional dos Servidores Público Federal. Os manifestantes aguardam o retorno das neogicações.

Sem acordo, os servidores informaram que vão continuar em greves e paralisações, que já estão espalhadas por 26 estados do país(foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)
Sem acordo, os servidores informaram que vão continuar em greves e paralisações, que já estão espalhadas por 26 estados do país (foto: Gustavo Moreno/CB/DA Press)


Leia mais notícias em Economia

Entenda

Durante a campanha salarial de 2015, os servidores pediram um reajuste de 27,3% para 2016. O governo ofertou 21,3% em quatro anos. Sem acordo, os servidores informaram que vão continuar em greves e paralisações, que já estão espalhadas por 26 estados do país.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade