Publicidade

Estado de Minas

Sob vaias, deputados mantêm veto ao reajuste do Judiciário

De acordo com o Ministério do Planejamento, se tivesse ocorrido a derrubada, o impacto seria de R$ 36,2 bilhões entre 2015 e 2019 nas cofres públicos


postado em 18/11/2015 00:23 / atualizado em 18/11/2015 01:15

Em sessão conjunta do Congresso na noite desta terça-feira (17/11), deputados mantiveram por 251 votos, seis a mais do que os 257 necessários, o veto ao reajuste de até 78% do Judiciário. O resultado, considerado uma vitória para o governo, se deu sob gritos e vaias dos servidores que acompanhavam a votação. Chegou a haver um princípio de tumulto, mas foi controlado.

 

De acordo com o Ministério do Planejamento, se tivesse ocorrido a derrubada, o impacto seria de R$ 36,2 bilhões entre 2015 e 2019 nas contas públicas. Após a votação, manifestantes presentes gritaram palavras de ordem contra a manutenção do veto, como “sem reajuste não vai ter eleição”, um possível sinal de greve no Judiciário no próximo ano, de eleições municipais. 

 

Até a publicação desta matéria, os vetos referentes à extensão da política de valorização do salário mínimo a todos os aposentados e ao financiamento público de campanha eleitoral, não haviam sido apreciados.

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade