Publicidade

Correio Braziliense

Primeira reunião do PPI será em 15 dias para definir concessões do governo

Apesar de cancelar sua presença em evento de infraestrutura ontem, o secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, anunciou 13 projetos no pacote de concessões


postado em 16/06/2016 19:13


A primeira reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) será realizada em 15 dias para definir o primeiro lote de concessões do governo de transição de Michel Temer. O secretário executivo do PPI, Moreira Franco, cancelou sua participação do seminário Gás Natural, realizado ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e Consumidores Livres (Abrace).

Na sua conta no Twitter, no entanto, Moreira Franco disse ter “boas notícias sobre o programa de parcerias. “Em 15 dias reuniremos conselho, presidido por Michel Temer, para liberar o lote de concessões. Há, pelo menos, 13 projetos adiantados em diversas áreas em que o investimento privado vai ajudar o Brasil a voltar a crescer”, afirmou.

 

Leia mais notícias em Economia 

 

Os primeiros leilões serão os quatro aeroportos — Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Bahia — cujas concessões foram iniciadas no governo da presidente afastada, Dilma Rousseff. Os editais devem sair em setembro ou outubro. O primeiro lote de concessões também deve incluir quatro trechos de rodovias, duas ferrovias e três terminais portuários, dois deles de passageiros (Recife e Fortaleza) e um de movimentação de trigo (Rio de Janeiro).

Representante do PPI presente no evento, Eduardo Parente explicou que ainda é necessário resolver projetos rodoviários do governo anterior e citou as BRs 040, 153 e 163. O PPI também pretente ampliar para 90 dias o prazo entre a publicação dos editais e a realização dos leilões. Hoje o prazo é de 45 dias, no máximo. Isso porque os investidores querem saber com quem vão assinar os contratos, se com o governo de transição ou com o de Dilma. A medida pretende dar tempo para a decisão definitiva sobre o impeachment.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade