Publicidade

Correio Braziliense

Alumini é sexta empresa declarada inidônea pelo governo

A companhia ficou proibida de licitar e firmar novos contratos com órgãos e entidades governamentais por, pelo menos, dois anos.


postado em 02/03/2017 10:48

O governo federal declarou a empresa Alumini Engenharia S/A inidônea, o que a impede de firmar contratos com a administração pública. A medida, uma decorrência da Operação Lava Jato, foi divulgada na quarta-feira (1º/3) pelo Ministério da Transparência e publicada nesta quinta-feira (2/3) no Diário Oficial da União.

O despacho publicado hoje afirma que a Alumini recebeu a sanção “por ter efetuado pagamento de propina a agentes públicos da Petrobras S/A com finalidades ilícitas, tais como exercer influência indevida sobre esses agentes e deles receber tratamento diferenciado”.

A companhia ficou proibida de licitar e firmar novos contratos com órgãos e entidades governamentais por, pelo menos, dois anos. De acordo com as investigações, a Alumini, que se encontra em recuperação judicial e antes se chamava Alusa Engenharia, foi beneficiária de contratos superfaturados de obras na Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco.

A Alumini é a sexta empresa a ser declarada inidônea pelo governo por causa das investigações da Lava Jato. As outras foram Mendes Júnior, Skanska, Iesa Óleo & Gás, Jaraguá Equipamentos Industriais e GDK S/A. Os processos são de responsabilidade da Controladoria-Geral da União (CGU).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade