Publicidade

Correio Braziliense

Mais um diretor do BNDES entrega o cargo na gestão de Rabello de Castro

O executivo era o responsável pelas Comissões de Apuração Interna


postado em 19/07/2017 19:56

Mais um diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entregou o seu cargo na gestão de Paulo Rabello de Castro, que teve início em junho. Ricardo Baldin, diretor da áreas de Controladoria, Gestão de Riscos e Tecnologia da Informação, é o terceiro executivo a deixar o banco desde quando Rabello de Castro assumiu.

A informação foi confirmada pelo BNDES. O banco de fomento informou que o diretor não declarou o motivo para sua saída. Mas o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que seria por divergências com o novo presidente. Baldin entrou no BNDES em junho do ano passado, a convite da antecessora de Rabello de Castro, Maria Silvia Bastos Marques.
 

Há cerca de duas semanas pediram demissão do BNDES o ex-diretor das áreas financeira, de crédito e internacional Claudio Coutinho e o ex-diretor da área de Planejamento e Pesquisa Vinicius Carrasco. As saídas deles ocorreram logo após críticas feitas por Rabello de Castro à Taxa de Longo Prazo (TLP). Ambos estavam envolvidos nas discussões sobre a criação dela. A TLP poderá passar a ser usada em empréstimos do banco a partir de 2018.

Após o mal-estar com a equipe econômica do governo, Rabello de Castro voltou atrás e disse estar totalmente "vinculado ao projeto". Na terça-feira (18/7) assinou nota em conjunto com os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, e o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, destacando pontos que justificam a criação da taxa.

O Broadcast apurou que Baldin não participava das discussões da TLP. O executivo era o responsável pelas Comissões de Apuração Interna, disse uma fonte. Antes de entrar no banco, ele montou uma empresa de consultoria e assessoria contábil e empresarial, onde ficou até ser nomeado diretor do BNDES. Baldin também teve passagens pelo Itaú Unibanco e na PricewaterhouseCoopers (PwC).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade