Publicidade

Correio Braziliense

Maia: qualquer mudança da meta fiscal vai ser muito prejudicial ao país

Perguntado se o governo federal poderia negociar uma mudança em troca de maior apoio à reforma da Previdência, o presidente da Câmara dos Deputados desconversou


postado em 28/07/2017 16:23

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (28/7) em São Paulo que defenderá que a meta fiscal estipulada pela equipe econômica do governo no início do ano não seja revisada. "Defendo que a meta fiscal fique onde está. Não é porque a gente está com um problema de execução da meta que a solução é aumentar a meta. Nós já temos um rombo fiscal gravíssimo no Brasil", criticou, ao acrescentar que as dificuldades pelas quais passa o País "não podem gerar, por parte do Parlamento, mudanças que ampliem gastos."
 

Maia defendeu que a denúncia contra o presidente Michel Temer seja votada logo para que o Congresso possa voltar ao tema das reformas. "É com elas que vamos conseguir superar esse déficit fiscal." Ele veio à capital paulista para um almoço com o prefeito em exercício, Milton Leite (DEM), que ocupa interinamente o cargo com a viagem do prefeito João Doria (PSDB) à China e o afastamento do vice-prefeito Bruno Covas (PSDB) por motivos pessoais.

Além de Maia, participaram o secretário estadual de Habitação, Rodrigo Garcia, deputados e vereadores do partido. Legendas da base aliada pressionam o Planalto a alterar a meta, que, atualmente prevê um déficit de R$ 139 bilhões. Perguntado se o governo federal poderia negociar uma mudança em troca de maior apoio à reforma da Previdência, o presidente da Câmara dos Deputados desconversou. "Se a reforma da Previdência for aprovada, a gente vai ter um crescimento econômico mais rápido no curto prazo e resolve o problema do déficit."



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade