Publicidade

Correio Braziliense

Meirelles: se reforma não for aprovada este ano, governo tentará no próximo

Meirelles defendeu o texto aprovado na comissão especial da reforma e está no plenário da Câmara dos Deputados


postado em 30/10/2017 10:34

Ao deixar a sede da EBC em Brasília, ele também reforçou que há uma expectativa muito positiva para as vendas no final do ano(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Ao deixar a sede da EBC em Brasília, ele também reforçou que há uma expectativa muito positiva para as vendas no final do ano (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
 
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira (30/10) que, se a PEC da Previdência não for votada em 2017, o governo insistirá em defender a apreciação do projeto em 2018. Meirelles afirmou, entretanto, que o governo acredita ser possível a aprovação da Reforma da Previdência ainda este ano

"Se a Reforma da Previdência não for votada este ano, tentaremos no próximo. E se a reforma não for aprovada em 2018, devido ao período eleitoral, ela será o primeiro desafio do governo eleito para 2019. Por isso seria importante fazermos a reforma logo porque ela é necessária para o País", afirmou, após entrevista de rádio na Empresa Brasil de Comunicação (EBC). 

Questionado sobre a possibilidade de aprovação de uma reforma constitucional após o resultado da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, Meirelles desvinculou as votações. "A denúncia contra o presidente era uma coisa e a Previdência é outra completamente diferente. O parlamentar que votou de um jeito agora pode votar de outro", afirmou. 

Meirelles defendeu o texto aprovado na comissão especial da reforma e está no plenário da Câmara dos Deputados. "O texto já foi enxugado e é o que defendemos", enfatizou. 

O ministro ainda repetiu que as despesas discricionárias - aquelas que o governo pode cortar - estão controladas e já retornaram ao nível de 2010. "Mas para controlarmos os gastos obrigatórios é necessário aprovar mudanças constitucionais, que já foram propostas", completou. 

Ao deixar a sede da EBC em Brasília, ele também reforçou que há uma expectativa muito positiva para as vendas no final do ano. "O Brasil voltou a crescer e deve crescer 'forte' em 2018", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade