Publicidade

Correio Braziliense

Provável candidatura de Meirelles gera debate sobre quem será seu sucessor

Presidente Michel Temer não deverá escolher substituto de ministro da Fazenda antes de março. Prioridade é reforma da Previdência. Nome deverá vir de fora da equipe econômica, mas com bom trânsito no mercado e com investidores, segundo interlocutores do Planalto


postado em 10/12/2017 08:00

(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)

A provável candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ao Palácio do Planalto em 2018 tem intensificado o debate sobre quem será seu sucessor. Dentro da própria equipe de Meirelles, há uma movimentação para que um dos auxiliares assuma o posto, o que significaria a continuidade do trabalho realizado. Entretanto, o presidente Michel Temer confidenciou a interlocutores que prefere um nome com o mesmo peso do chefe da equipe econômica, com interlocução direta com o mercado, com banqueiros, com investidores estrangeiros e com empresários de diversos setores.

O ministro da Fazenda se comprometeu com o Temer a não deixar o posto até março para evitar ruídos, volatilidade nos mercados e atrapalhar os planos do governo de aprovar a reforma da Previdência. Entretanto, Meirelles tem dado sinais claros de que está disposto a concorrer à Presidência da República. Com o pretexto  de debater a reforma previdenciária e detalhar o processo de recuperação da economia, o ministro da Fazenda tem fugido do tradicional circuito Rio de Janeiro e São Paulo — cidades que concentraram  encontros com empresários e investidores — para palestrar em outras regiões do país.  E cada vez tem aberto mais espaço na agenda para falar de política e montar uma equipe de campanha.

Leia as últimas notícias em Economia

Na última quinta-feira, esteve na  Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam). No fim de novembro, falou para uma plateia de empresários na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc). Além disso, já participou de eventos da Assembleia de Deus, no qual foi laureado, e resolveu mudar a estratégia de comunicação nas redes sociais. Além de estar presente no Twitter, lançará contas no Facebook e no LinkedIn. O tradicional perfil com logomarca do Ministério da Fazenda deu lugar a estilo mais simples, com as cores do país. Vídeos e artes com frases e fotos do ministro passaram a ser publicadas constantemente no perfil do ministro. 

A intensificação dos gestos políticos de Meirelles ocorreu logo após o governo entrar em rusgas com o PSDB e deixar claro que só apoiará um candidato que defender o legado das medidas tomadas durante a gestão de Temer. De lá para cá, o ministro da Fazenda fez críticas ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), além de emitir sinais de que está no páreo para a disputa presidencial. 

Acompanhamento

Tanto o presidente Temer quanto seus aliados mais fiéis, entre eles os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, têm acompanhado com lupa os passos e as declarações de Meirelles. Por hora, não é ventilada a possibilidade de que o chefe da equipe econômica deixará o posto antes de março, o que seria uma surpresa para todos eles. “A possibilidade de Meirelles ser candidato está clara para todos eles. Mas o momento não é de tratar do assunto, e sim de focar na aprovação da reforma da Previdência. Qualquer burburinho sobre a saída dele pode trazer volatilidade, o que não desejamos”, disse um auxiliar do chefe do Executivo.

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, é elogiado por fontes palacianas. “Ilan é avessso aos holofotes, seria uma boa opção. Entretanto, não há nomes na mesa e o presidente ainda não está preocupado com o assunto”, declarou outro auxiliar de Temer. No entanto, ele citou dois economistas com trânsito no mercado e que têm se aproximado de Temer, participando de encontros com parlamentares:  Marcos Lisboa, presidente do Insper, e o economista-chefe da Opus Investimentos, José Márcio Camargo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade