Publicidade

Correio Braziliense

Fazenda eleva projeção do PIB para 1,1%, em 2017, e 3%, em 2018

Nos nove meses de 2017, o PIB registrou crescimento acumulado de 0,6%, em relação a igual período de 2016


postado em 14/12/2017 11:25 / atualizado em 14/12/2017 12:03

O Ministério da Fazenda mudou as projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 1,1% em 2017 e 3% 2018. Os números são mais otimistas que a expectativa do mercado, que espera expansão de 0,91% e 2,62%, respectivamente. O anúncio foi divulgado na manhã desta quinta (14/12).
 
 
Antes do anúncio, a projeção do governo estava em 0,5% para este ano e de 2% para 2018. Entre os argumentos do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está a estabilização do processo de desalavancagem das empresas e a credibilidade da equipe econômica, que reduziu a inflação, juros e aprovou reformas, como a trabalhista. “Houve um aumento da confiança e aumento do crescimento”, destacou. 
 
O ministro apontou ainda que as perspectivas de crescimento se baseiam nas condições atuais da economia e não devem ser conservadoras ou otimistas em excesso. “São extremamente realistas”, afirmou Meirelles. Durante o ano, o governo iniciou o ano com a projeção de crescimento de 1,6%, mas reduziu para 0,5% diante do cenário desfavorável de retomada. 
 
Questionado sobre a reforma da Previdência Social, que pode não ser aprovada este ano, Meirelles destacou que a expectativa é que, se porventura for adiada, haverá um esforço para que seja votada no início de 2018. “Levando a hipótese ao extremo, ou seja, de não aprovação em 2018, certamente isso terá um impacto negativo que é difícil de medir”,  disse.
 
Ele declarou que o mercado ainda não precificou completamente a queda da reforma. Sobre outras medidas que tramitam no Congresso Nacional para diminuir os gastos de 2018, Meirelles disse que o governo está trabalhando duro para votar. Entre as ações está a que adia o reajuste dos servidores públicos para 2019. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade