Publicidade

Correio Braziliense

Moreira Franco: tenho convicção de que Reforma da Previdência será aprovada

Segundo ele, pelos últimos cálculos já estão garantidos 280 votos e o restante será fruto das conversas do presidente Michel Temer junto aos parlamentares. Para ser aprovada, a matéria precisa de pelo menos 308 votos, em dois turnos


postado em 15/12/2017 14:09

O ministro-chefe da Secretaria-geral da Presidência da República, Moreira Franco, afirmou hoje (15/12), na capital paulista, ter absoluta convicção de que o governo conseguirá obter os votos necessários para aprovar a Reforma da Previdência no Congresso Nacional. Segundo ele, pelos últimos cálculos já estão garantidos 280 votos e o restante será fruto das conversas do presidente Michel Temer junto aos parlamentares. Para ser aprovada, a matéria precisa de pelo menos 308 votos, em dois turnos.

“Uma característica do governo de Michel Temer é a capacidade de diálogo e busca de entendimento. O ambiente no país mudou muito com relação à Previdência. Já há uma compreensão de que o problema é grave, com consequências danosas, sobretudo para aqueles que são mais debilitados do ponto de vista de renda, emprego e social”, disse aos jornalistas após participar do Fórum Avançar Cidades, na sede da editora Abril.

 

Leia as últimas notícias de Economia

 

Moreira Franco ressaltou que as mudanças já foram feitas no texto da Reforma da Previdência e a expectativa é de que o relator apresente a emenda o mais rápido possível, para que todos tomem conhecimento dela e para que o debate ocorra de maneira mais clara. Ontem (14/12), o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou para o dia 19 de fevereiro a votação da reforma.

“Por exemplo, não vai constar da emenda nenhuma referência aos trabalhadores rurais e você ainda vê uma série de manifestações da oposição, querendo criar um ambiente hostil à aprovação tratando a emenda como se houvesse alguma referência a esse setor. Eles vão continuar exatamente como estão. Da mesma maneira que os idosos e as pessoas com deficiência terão a mesma realidade que têm hoje. Os direitos adquiridos também serão respeitados”, disse o ministro.

Para o ministro não há grandes mudanças a serem feitas no texto, porque as questões essenciais já estão presentes. Segundo ele é preciso criar uma Previdência Social que tenha regras iguais para todos os cidadãos. “Creio que o Brasil precisa construir uma sociedade que tenha compromisso com a igualdade. Não se constrói uma sociedade democrática com tantos privilégios e diferença entre os que ganham mais e os que ganham menos no sistema previdenciário. Os que ganham mais se aposentam mais cedo, têm vencimentos reajustados a vida inteira e são os que têm expectativa de vida maior”.

Moreira Franco afirmou ainda que não vê as eleições no ano que vem como um empecilho. “Pelo contrário. Se aprovarmos a Reforma da Previdência, o tema vai estar fora da questão eleitoral. Se não aprovarmos, o principal tema da campanha eleitoral será a Previdência, porque ela é um pilar mais robusto que trará consequências virtuosas ou extremamente ruidosas à economia das pessoas, sobretudo dos mais pobres”, disse.

O ministro também falou sobre o programa Avançar Cidades, que engloba obras de infraestrutura, saúde e educação de grande, médio e pequeno porte. “São obras que estavam paralisadas. É um investimento que vai aproveitar para combater o desperdício retomando essas obras e gerando emprego. Os recursos são do orçamento e de empresas, passando dos R$ 100 milhões. Isso vai gerar movimentação de emprego muito forte no país inteiro, melhorando a renda das pessoas”, disse Moreira Franco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade