Publicidade

Correio Braziliense

Desembolsos do BNDES caem 20% no acumulado até novembro

As micro, pequenas e médias empresas receberam 43,4% dos recursos liberados no período, somando R$ 26,5 bilhões


postado em 19/12/2017 17:00

Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no acumulado de janeiro a novembro deste ano somaram R$ 61 bilhões, queda de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.


Por setores, a agropecuária foi o único a registrar aumento nos desembolsos no acumulado janeiro-novembro em relação a igual período de 2016, com acréscimo de 8%. No total, o setor recebeu R$ 13 bilhões, o que corresponde a 21,4% dos desembolsos do BNDES. Para infraestrutura, foram destinados quase R$ 22 bilhões em 11 meses, queda de 2% em relação ao acumulado de janeiro a novembro de 2016.
 
 
A indústria recebeu R$ 13,31 bilhões, redução de 48% em relação ao mesmo período do ano passado, e os desembolsos para o setor de comércio e serviços caíram 22%, somando R$ 12,65 bilhões de janeiro a novembro de 2017.

O Nordeste foi a única região do país a registrar aumento de liberações do BNDES nos 11 meses de 2017 até agora, com acréscimo de 19% e valor total de R$ 11,43 bilhões. As aprovações de crédito para essa região também subiram 103%, alcançando R$ 10,7 bilhões.

Finame e capital de giro


O BNDES destacou que, pela Linha Finame, para financiamento da produção e compra de máquinas e equipamentos, foram desembolsados R$ 17,6 bilhões, 11% a mais do que no mesmo período do ano passado. De acordo com o banco, a Finame funciona como um termômetro da recuperação da atividade econômica. Os pedidos de financiamento aprovados para essa linha de crédito somam R$ 19,7 bilhões de janeiro a novembro, aumento de 22%.

Para capital de giro das empresas, os desembolsos na Linha BNDES Giro aumentaram 199%, com total de R$ 6,2 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, as liberações para essa linha chegam a R$ 6,8 bilhões, com expansão de 177% em relação ao período anterior (dezembro de 2015 a novembro de 2016).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade