Publicidade

Correio Braziliense

Temer nega interesse de vender o controle da Embraer à Boeing

Em café da manhã com jornalistas, Temer ressaltou ser bem vinda a injeção de capital estrangeiro, mas descartou a venda


postado em 22/12/2017 12:39 / atualizado em 22/12/2017 20:11

Temer ressaltou que a Embraer representa muito bem o Brasil no exterior(foto: Evaristo Sa/ AFP )
Temer ressaltou que a Embraer representa muito bem o Brasil no exterior (foto: Evaristo Sa/ AFP )


O presidente da República, Michel Temer, negou nesta sexta-feira (22/12) a intenção de vender o controle da Embraer à Boeing. 


Em café da manhã com jornalistas, Temer ressaltou ser bem vinda a injeção de capital estrangeiro, mas descartou a venda. "Queremos salvar o grande interesse para a injeção de capital estrangeiro. Será muito bem vindo e bem recebido. A dificuldade é transferir o controle para outra empresa", afirmou. 

O peemedebista ressaltou que a Embraer representa muito bem o Brasil no exterior e o capital estrangeiro será bem vindo. "Mas não se examina a questão da transferência", destacou. 
 

Privatização em 1994

 
Surgida como estatal em 1969, a Embraer foi privatizada em 1994, mas o Estado brasileiro preservou uma 'golden share', que lhe permite intervir em questões estratégicas.

O grupo chegou a ser líder no segmento de aeronaves até 150 lugares. Entrega anualmente 200 aviões, entre jatos comerciais e executivos.

Possui, ainda, um setor de Defesa, com modelos como o A-29 Super Tucano para missões de ataque rápido e treinamento avançado e o KC-390 de transporte de tropas, que deve chegar ao mercado em 2018.

"A transferência do seu controle acionário desserve os interesses da soberania nacional", reforçou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, que estava no encontro de Temer com a imprensa.

O Sindicato dos Metalúrgicos "repudiou" a eventual fusão.

"A Embraer é estratégica para o país e não pode ser vendida para capital estrangeiro. Exigimos que o governo federal vete a venda e, enfim, reestatize a Embraer como forma de preservar e retomar este patrimônio nacional", indicou um comunicado do sindicato.
 
Com informações da France-Presse 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade