Publicidade

Correio Braziliense

BNDES libera recursos para construção de cistenas no Semiárido

As cisternas chegarão às famílias da região por meio de parceria com a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), formada por mais de 3 mil organizações da sociedade civil


postado em 28/12/2017 17:54

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai destinar, ao longo do ano que vem,  R$ 100 milhões de seu Fundo Social para a instalação de 6.800 cisternas de segunda água (52 mil litros cada) em nove estados do Semiárido. Nota divulgada hoje (28/12) pelo BNDES diz que as cisternas chegarão às famílias da região por meio de parceria com a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), formada por mais de 3 mil organizações da sociedade civil, como sindicatos rurais, associações de agricultores, cooperativas e organizações não governamentais (ONGs).

A ASA faz um levantamento permanente das áreas mais necessitadas e das famílias aptas a receber as cisternas no Semiárido, região que abrange os estados de Alagoas, da Bahia, do Ceará, de Minas Gerais, da Paraíba, de Pernambuco, do Piauí, do Rio Grande do Norte e de Sergipe. São ao todo 1.135 municípios, onde vivem cerca de 23,8 milhões de brasileiros, sendo 8,5 milhões na área rural.

 

Leia as últimas notícias de Economia

 

As cisternas de segunda água captam e armazenam água da chuva para ser usada na irrigação de plantações e na criação de animais. Os destinatários são famílias rurais de baixa renda atingidas pela seca ou pela falta regular de água no Semiárido. Desde 2013, o BNDES apoiou, com recursos não reembolsáveis, 25 mil cisternas de segunda água, utilizando R$ 271 milhões do Fundo Social.

De acordo com a ASA, 70,3% dos beneficiários das cisternas de segunda água são mulheres; 86,4% recebem o Bolsa Família; 80,7% estão localizados em comunidades rurais; 20,3% têm ensino fundamental até a 4ª série e 14,7% são analfabetos. A atividade principal da maior parte desses agricultores é a produção de hortifrutigranjeiros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade