Publicidade

Correio Braziliense

Carros autônomos já começam a virar realidade

Empresas como Fiat, Volkswagen, Hyundai e Samsung aumentam investimentos na nova tecnologia e aceleram programas de desenvolvimento para colocar os veículos nas ruas


postado em 02/02/2018 06:00

John Krafcik, CEO da Waymo, apresenta o Pacifica, da Fiat Chrysler, usado no programa de veículos autônomos do Google(foto: Bill Pugliano/AFP)
John Krafcik, CEO da Waymo, apresenta o Pacifica, da Fiat Chrysler, usado no programa de veículos autônomos do Google (foto: Bill Pugliano/AFP)


São Paulo — Considerada uma das tecnologias mais promissoras da atualidade, os veículos autônomos começam a sair dos ambientes de testes para ganhar as ruas das cidades. Foram mais de 30 anos de experimentos, mas só agora os primeiros carros envolvendo automoção estão realmente sendo impulsionados pelos avanços na eficiência de sistemas de navegação, nos sensores e acesso à internet. Hoje em dia, um veículo autônomo é capaz de identificar o ambiente à sua volta e navegar por ele sem qualquer interferência humana. São também detentores de grande capacidade para reduzir emissão de poluentes, acidentes de trânsito, congestionamentos e melhorar a segurança e o acesso ao transporte.

 

Leia as últimas notícias de Economia 


Nos últimos anos, várias iniciativas empresariais estão tirando os carros “inteligentes” do imaginário das pessoas e trazendo para a realidade. Nesta semana, a Fiat Chrysler Automobilis (FCA) anunciou que vai fornecer unidades da minivan Pacifica para o lançamento do serviço de táxis sem motorista da Waymo, uma subsidiária do Google, que será lançado na cidade de Phoenix, nos Estados Unidos, ainda em 2018. Depois da estreia, o serviço será estendido para outros estados americanos, chegando a 25 cidades onde a tecnologia já foi testada, entre elas Atlanta, São Francisco e Detroit.

A sul-coreana Samsung é outra que anunciou recentemente que está investindo na tecnologia de direção autônoma. A empresa já adquiriu várias startups de veículos sem motorista e criou um fundo de investimentos de US$ 300 milhões para estimular as iniciativas nesse mercado. A gigante sul-coreana também se juntou à Waymo numa antiga base da força aérea de Castle, na Califórnia, para realizar testes com carros autônomos. O local é uma espécie de cidade cenográfica, com estradas de alta velocidade e subterrâneas com cruzamentos ferroviários, onde os carros sem motoristas passam por todo tipo de dificuldades controladas em ambiente urbano.

As montadoras Volkswagen e Hyundai também anunciaram projetos na área durante a última CES 2018, maior feira de tecnologia do mundo. As duas montadoras planejam ter seus próprios carros autônomos nas ruas até 2021. As empresas pretendem fazer isso com o auxílio da novata Aurora, empresa de carros autônomos fundada por antigos executivos do Google, Uber e Tesla, outra pioneira no desenvolvimento da tecnologia. Apesar de nova, a empresa tem se movido rapidamente e pode ser uma grande concorrente às demais empresas do ramo. Outros fabricantes de automóveis como Ford, GM, Nissan, Mercedes-Benz e Toyota também têm projetos de veículos autônomos.

Relatório elaborado pela consultoria PWC aponta que algumas empresas automobilísticas estão buscando investir e fazer parcerias com novos operadores (startups), ou mesmo adquirindo alguns deles. A Bosch, por exemplo, fez um investimento na AdasWorks, a Delphi assinou uma parceria com a Quanergy, a Volvo com a Peloton, e GM e VW com a Mobileye. A obtenção de acesso a tecnologias relevantes, diz o documento da PWC, como sensores, soluções de conectividade, semicondutores, inteligência artificial e similares, torna-se cada vez mais importante para as companhias automotivas e seus fornecedores. A maioria dessas empresas, diz o estudo, simplesmente não tem os meios, o talento, as habilidades organizacionais ou a cultura digital para construir essas novas tecnologias po r conta própria.

No Brasil a tecnologia de veículos autônomos também está avançando. Na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), está sendo criado o projeto Iara (Intelligent Autonomous Robotic Automobile) para construir um carro autônomo para ser testado nas estradas ainda em 2018. No campus da USP de São Carlos há pesquisadores envolvidos na concepção de um modelo autônomo. Batizada de projeto Carina, a tecnologia está em testes mas ainda vai demorar algum tempo para chegar às ruas. Na Ufes, os desafios vão desde a falta de legislação, péssima infraestrutura e pouco interesse de grandes empresas e do governo.

Enquanto isso...

O futuro também é dos carros compartilhados
Estudo realizado pela consultoria PWC detectou uma profunda transformação em curso na indústria automotiva. De acordo com a pesquisa “Five Trends Transforming the Automotive Industry”, até 2030 um em cada três quilômetros rodados serão em carros compartilhados. O levantamento também apontou cinco tendências irreversíveis para o setor: carros eletrificados, autônomos, compartilhados, conectados e atualizados anualmente. As mudanças obrigarão a indústria automotiva a se reinventar. Se a projeção da PWC se confirmar, na Europa a frota de carros cairá de 280 milhões para 200 milhões. Nos EUA, de 270 milhões para 212 milhões.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade