Publicidade

Correio Braziliense

Cresce disputa pelo comando do BNDES; Câmara e Planalto influenciam escolha

Além de Rabello de Castro querer fazer substituto, o presidente da Câmara e o ministro da Fazenda pretendem influenciar na escolha do novo presidente do banco em abril


postado em 11/02/2018 08:00 / atualizado em 11/02/2018 10:41

Paulo Rabello de Castro deve deixar o cargo em abril para disputar o Planalto pelo PSC(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Paulo Rabello de Castro deve deixar o cargo em abril para disputar o Planalto pelo PSC (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltou ao radar de políticos e postulantes ao Palácio do Planalto. O governo federal ainda não chegou a um consenso sobre quem ocupará o lugar de Paulo Rabello de Castro, em abril, quando o executivo sairá para ser pré-candidato à Presidência da República pelo PSC. Na teoria, o banco é ligado ao Ministério do Planejamento, mas tanto na Fazenda quanto na Câmara dos Deputados há quem queira indicar um nome para a instituição.

O atual presidente do BNDES já se posicionou sobre o assunto. Ele defende que o atual diretor da área financeira e internacional do banco, Carlos Thadeu de Freitas Gomes, o substitua. “Ele tem todas as condições de tocar o banco. Além do conhecimento técnico, desfruta de ótimo trânsito no Banco Central e no Ministério da Fazenda”, justifica.

Thadeu garante que não foi contatado nem tem interesse no cargo. “Fui diretor do Banco do Brasil, diretor financeiro da Petrobras, trabalhei em várias empresas. A presidência do BNDES não é um dos meus objetivos”, completa. Além dele, há especulações sobre outro diretor do banco que poderia assumir o BNDES, Carlos Da Costa. Atualmente, ele lidera a área de crédito, tecnologia da informação e planejamento. Os dois entraram em agosto do ano passado na estatal.

Leia as últimas notícias em Economia


O mais provável, entretanto, é que o cargo seja objeto de negociações políticas, como ocorre historicamente com as estatais. Fontes ligadas ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), não negam que ele tem interesse em pleitear para um aliado político a Presidência do BNDES. O governo federal pode ceder aos parlamentares para conseguir aprovar medidas que diminuem os gastos públicos em 2018 ae estão esquecidas no Congresso desde o ano passado.

Além disso, apesar de o banco estar sob o guarda-chuva do ministro Dyogo Oliveira, há interesse do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que a instituição se adeque às necessidades da pasta, já que Rabello de Castro nunca teve uma relação amistosa com a equipe econômica. O presidente da instituição teve embates com os ministros em algumas situações, principalmente quando discordava das devoluções do BNDES ao Tesouro Nacional e da substituição da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) pela Taxa de Longo Prazo (TLP).


Repasses

O governo precisou de R$ 50 bilhões em 2017 para cumprir a regra de ouro — que impede o Executivo de se endividar para pagar despesas correntes, como salários de servidores. Para se manter dentro da norma em 2018, o governo precisará de cerca de R$ 130 bilhões. Mesmo contrariado, Rabello de Castro diz que devolverá os recursos, sendo que R$ 30 bilhões ainda em fevereiro.

Além das inimizades conquistadas nos últimos meses, o atual presidente do BNDES está sendo investigado por um esquema de desvios no Postalis, o fundo de pensão dos Correios. Ele foi alvo da Operação Pausare, da Polícia Federal. Rabello de Castro é fundador da agência de avaliação de riscos SR Rating, que, segundo as investigações, fez avaliações “superficiais” sobre investimentos que o Postalis estava interessado em realizar, sem utilizar embasamento técnico. O presidente do banco negou as irregularidades e afirmou que o diagnóstico sobre as operações estavam corretos. O Postalis teve um prejuízo de mais de R$ 100 milhões nas operações.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade