Publicidade

Correio Braziliense

Meirelles: Fazenda estuda rever composição tributária dos combustíveis

Após dar declarações de que a política de preços da Petrobras poderia ser revista, derrubando as ações da petroleira, ministro se retrata, na manhã desta quarta-feira, em Nova York (EUA)


postado em 07/03/2018 16:58 / atualizado em 07/03/2018 17:07

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)


Depois de derrubar as ações da Petrobras na terça-feira (6/3), após declarar que o governo cogitava mexer na política de preços dos combustíveis, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se retratou, nesta quarta-feira (7/3), afirmando que o que está em estudo no ministério é uma “"estrutura melhor de impostos". Ontem, os papéis da estatal caíram cerca de 1%. No pregão de hoje, às 16h30, as ações preferenciais estavam em queda de 1,55% e as ordinárias caíam 2,24%.

"A política de preços da Petrobras é autônoma, baseada na eficiência corporativa e na realidade de mercado. Não há nenhum pensamento de qualquer discussão a esse respeito. A Petrobras fixa seu preço de acordo com as condições de mercado e de produção da empresa", justificou, antes de um café da manhã organizado pelo Council of the Americas com lideranças empresariais, em Nova York (EUA).

Meirelles disse, contudo, que existem, sim, diversos outros fatores que adicionam preço aos combustíveis. "Vamos, por exemplo, pegar o caso do gás. Há a margem das distribuidoras e há possibilidade de uma ação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que é uma entidade independente, e está olhando isso", afirmou.

O ministro também destacou que há questões tributárias a serem avaliadas. "Há uma tributação grande sobre os combustíveis. Na medida em que sobe o preço, percentualmente (o imposto) é fixo, mas o valor sobe mais. Portanto, estamos revisando isso, para ver se há alguma coisa a fazer ou não", declarou. "Evidentemente, que há questões relativas a órgãos que promovem a concorrência. E outras questões tributárias, que serão analisadas com calma não só no âmbito federal", reiterou.

Indagado se o Ministério da Fazenda pode lançar algo antes de 6 de abril, prazo para a desincompatibilização de Meirelles caso queira se lançar candidato à Presidência da República, o ministro garantiu que não há nada nesse sentido. "Foi meramente uma manifestação de que estamos olhando isso. Mas evidentemente são tempos diferentes, seja o tempo de decisão e de avaliação por parte dos órgãos de proteção à concorrência, seja as diversas questões tributárias em diversos níveis."

Sobre a queda nas ações da Petrobras após sua fala da véspera, Meirelles considerou uma questão normal de mercado "absolutamente previsível". "Os mercados reagem, muitas vezes, numa tentativa de fazer preço e depois se ajustam", justificou. "Estamos apenas começando a analisar se teria ou não uma melhor estrutura de impostos para os combustíveis, mas não há prazos para isso", reiterou.

A Petrobras informou que o governo federal consultou recentemente a empresa acerca do comportamento dos preços no mercado internacional de petróleo, quando registrou preocupação com a volatilidade dos preços para o consumidor final. "No entanto, conforme aliás declarado pelo ministro da Fazenda, em nenhum momento se cogitou qualquer alteração nas regras atualmente aplicadas pela companhia, que são de sua exclusiva alçada", disse em nota.

Assim, a Petrobras continuará ajustando o preço da gasolina e do diesel em suas refinarias diariamente conforme as variações nas cotações internacionais do petróleo. E tendo em vista a formação do preço final ao consumidor, onde a parcela da refinaria constitui menos de 50% no diesel e menos de 33% na gasolina, qualquer medida cujo objetivo seja o de reduzir a volatilidade deverá alcançar os demais componentes do preço, sendo que o principal deles é a carga tributária, federal e estadual.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade