Publicidade

Correio Braziliense

Trump promete flexibilidade tarifária para os verdadeiros amigos dos EUA

Em sua conta no Twitter, o presidente dos EUA disse que deve proteger a indústria de aço e alumínio, cooperando com quem trata o país de forma igualitária


postado em 08/03/2018 11:40 / atualizado em 08/03/2018 11:59

Washington, Estados Unidos - O presidente Donald Trump prometeu mostrar flexibilidade ante os verdadeiros amigos dos Estados Unidos na tarifação do aço e alumínio, antes da cerimônia desta quinta-feira (8/3) que formalizará as controvertidas medidas.

"Devemos proteger e construir nossa indústria de aço e alumínio mostrando, ao mesmo tempo, grande flexibilidade e cooperação para aqueles que são verdadeiros amigos e que nos tratam de maneira equitativa tanto em nível de comércio como de defesa", tuitou o presidente.

Mais cedo, a União Europeia (UE) advertiu Trump de que se ele decidir impor taxas de importação aos produtos siderúrgicos, no caso do bloco europeu não pode haver exceções com determinados países, como o Reino Unido.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, afirmou em Bruxelas ter lido que "provavelmente estão considerando algumas isenções aos países do Nafta (...) mas também mencionaram o Reino Unido e talvez outros países".

"Se tentarem fazer uma isenção para um de nossos Estados membros, significa a UE em seu conjunto", disse o vice-presidente, em referência ao aliado europeu de Washington que se prepara para abandonar o bloco em 29 de março de 2019.

O presidente americano anunciou na semana passada a intenção de impor tarifas de importação de 25% para o aço e de 10% para o alumínio, sem revelar detalhes sobre os países afetados, um desejo que reiterou nos últimos dias.

Na quarta-feira, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, citou "possíveis isenções para México e Canadá", que ao lado dos Estados Unidos integram o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), assim como para outros países com base em uma avaliação "país por país" e em critérios de "segurança nacional".

Apesar de reiterar a intenção de evitar uma guerra comercial, a UE apresentou um plano de resposta que inclui tarifas de importação a produtos emblemáticos dos Estados Unidos, a adoção de medidas de salvaguarda e um processo na Organização Mundial do Comércio (OMC).

A "lista provisória" de produtos americanos, com a qual a UE tentaria compensar o prejuízo provocado pelas tarifas de Trump, incluiria o bourbon, o suco de laranja ou a manteiga de amendoim, entre vários outros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade