Publicidade

Correio Braziliense

Protesto contra preço do combustível leva cerca de mil pessoas à Esplanada

Segundo os organizadores, o grupo não tinha ligação com nenhum partido político e pedia, além do reajuste no valor da gasolina, que o presidente Michel Temer deixasse o cargo de chefe do Executivo Federal


postado em 28/05/2018 17:01 / atualizado em 28/05/2018 23:19

Manifestantes aproveitam o sinal vermelho para pedir adesão dos motoristas que passam pela via(foto: Antônio Cunha/CB/D.A.Press )
Manifestantes aproveitam o sinal vermelho para pedir adesão dos motoristas que passam pela via (foto: Antônio Cunha/CB/D.A.Press )

 
Nesta segunda-feira (28/5), cerca de 1.000 pessoas se reuniram na área central da Brasília para protestar contra o aumento dos impostos nos combustíveis. A manifestação, que também teve como objetivo criticar as decisões tomadas pelo governo Temer, começou com 150 pessoas, na Esplanada dos Ministérios. Segundo os organizadores do ato, o grupo não tem ligação com nenhum partido político. Motoristas que passsaram a tarde em frente à central de distribuição da Petrobras, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), também se juntaram às pessoas próximo ao Palácio do Planalto, à noite.
 
Ver galeria . 10 Fotos Luis Nova/CB/D.A.Press
(foto: Luis Nova/CB/D.A.Press )


Apesar da quantidade de pessoas, não houve tumulto. Segundo a Polícia Militar, parte das vias N1 e S1 foram parcialmente bloqueadas pelos manifestantes, o que fez com que o trânsito ficasse lento, mas sem retenção total. Quando passaram em frente ao Palácio da Justiça, portando bandeiras, faixas e vestindo verde e amarelo, promoveram um apitaço. Nas faixasm, dizeres como "Basta! Estamos cansados de pagar a conta" e pedidos de intervenção militar.
 

 
O grupo passou pela Justiça, seguiu para o Palácio do Planalto, onde gritou, novamente, palavras de ordem, se concentrou momentaneamente próximo ao Congresso Nacional. Por conta disso, a Alameda dos Estados foi interditada, bem como parte da N1 (Eixo Monumental, sentido Rodoviária). Quando chegaram no gramado da sede do Legislativo Federal, os participantes do ato cantaram o Hino Nacional e seguiram bradando por pautas diversas, desde a redução do preço da gasolina até a saída do presidente Michel Temer do governo. Às 18h30, eles rumaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) e deram uma nova volta na Praça dos Três Poderes.
 
 

A corretora de seguros Suzana Carriero, 45 anos, fez questão de participar do ato. Segundo ela, é importante que a população participe. "Somos contra o aumento dos impostos, da gasolina e também apoiamos as causas dos caminhoneiros. Precisamos de um país sem corrupção e os políticos precisam ter consciência de que não aguentamos pagar um centavo a mais. Não vamos aceitar isso", desabafou.
 
O militar Tiago Kamus, 22, defende que o país precisa de um governo justo e sem corrupção. "Tem que tirar a regalia dos governantes. Também viemos reivindicar a nossa parte, porque o acordo só vai favorecer os caminhoneiros. Não queremos que sobre pra gente pagar", criticou. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade