Publicidade

Correio Braziliense

Com paralisação dos caminhoneiros, IPCA avança e atinge 0,4% em maio

No acumulado do ano, porém, o índice ainda está no menor patamar desde a implantação do Plano Real, com 1,33%


postado em 08/06/2018 09:42

A paralisação da categoria provocou desabastecimento em cidades e elevação de vários preços(foto: Evaristo Sa/AFP)
A paralisação da categoria provocou desabastecimento em cidades e elevação de vários preços (foto: Evaristo Sa/AFP)

 
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) surpreendeu o mercado e atingiu uma alta de 0,4% em maio, 0,18 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada em abril. A aceleração do indicador é reflexo da paralisação dos caminhoneiros, que provocou desabastecimento em cidades e elevação de vários preços.

Os dados foram divulgados na manhã desta sexta-feira (8/6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No acumulado do ano, porém, o índice ainda está no menor patamar desde a implantação do Plano Real, com 1,33%. Em 12 meses, subiu de 2,76% para 2,86%, com o resultado de maio. 

Entre os nove grupos pesquisados, apenas artigos de residência apresentou deflação (-0,06%), ou seja, queda nos preços. Nos demais, os produtos e serviços que ficaram mais caros foram de habitação, com alta de 0,83%. Isso ocorreu por conta da alta da energia elétrica, que avançou 3,53% em maio. Desde o dia 1º de maio vigora a bandeira tarifária amarela, que, na prática, cobra R$ 0,01 a mais a cada kwh consumido. 

Em abril, a energia elétrica já tinha subido 0,99%. Para o mês de junho, a conta de luz ficará mais cara, depois da cobrança de bandeira tarifária vermelha. Ainda no grupo de habitação, o item gás de encanado subiu 0,91% no IPCA, após reajuste de 1,87% nas tarifas do Rio de Janeiro. 

O grupo de alimentação apresentou alta de 0,32% em maio, com avanço de 0,36% e de 0,26% para alimentação em domicílio e fora de residência, respectivamente. Em destaque, subiram os preços da cebola (32,36%), a batata-inglesa (17,51%), as hortaliças (4,15%) e o leite longa vida (2,65%). Na contramão, açúcar cristal (-3,32%), o café moído (-2,28%), as frutas (-2,08%) e as carnes (-0,38%).

No grupo transportes, a elevação foi de 0,4%, puxado pela alta da gasolina nos postos, que foi de 3,34%. O óleo diesel apresentou alta de 6,16%. Já o etanol caiu 2,73%. Nos demais grupos, há destaque para saúde e cuidados pessoais (0,57%), com expansão de 1,06% nos planos de saúde.

Metodologia

No mês de maio, o IBGE passou a incorporar nas estatísticas os municípios Rio Branco (AC), São Luís (MA) e Aracaju (SE). Além disso, passou a contabilizar a variação de preços dos itens mão de obra para pequenos reparos e empregados domésticos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade