Publicidade

Correio Braziliense

Preço da gasolina sobe nas refinarias; consumidor pode esperar aumento

O aumento, no entanto, pode ser freado, em parte, pela baixa demanda do produto


postado em 30/06/2018 06:10 / atualizado em 30/06/2018 06:11

Gomes diz que, se vier nova alta nas bombas, pode deixar de trabalhar(foto: Bruno Santa Rita/Esp.CB/D.A Press)
Gomes diz que, se vier nova alta nas bombas, pode deixar de trabalhar (foto: Bruno Santa Rita/Esp.CB/D.A Press)

O consumidor pode esperar novo aumento dos preços da gasolina nos próximos dias. Mesmo com os valores do combustível a caminho da normalidade, o aumento de 1,23% nas refinarias, anunciado ontem pela Petrobras, deve ser repassado para as bombas. Segundo o economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fábio Bentes, o produto é de circulação rápida, o que agiliza a mudança de preços.

“O estoque gira rápido. Os preços acabam sendo repassados muito rapidamente para o consumidor”, explicou Bentes. O aumento, no entanto, pode ser freado, em parte, pela baixa demanda do produto. “Isso pode segurar a alta”, avaliou o economista. Ele advertiu, no entanto, que novos aumentos podem ocorrer se o preço do barril de petróleo no mercado internacional continuar a subir.

Nos últimos dias, os valores cobrados nos postos vinham diminuindo, conforme pesquisa realizada regularmente pelo Correio (veja quadro). Na semana passada, o valor mais baixo encontrado foi de R$ 4,19. Ontem, o preço mais em conta era de R$ 4,15. O motorista de Uber Leonardo da Silva Gomes, 28 anos, disse, porém, que mal sentiu o preço baixar. “Eu passo por vários lugares. Tento sempre abastecer onde é mais barato, mas não vi muita diferença”, afirmou. Ele disse que, se vier uma nova alta, pode ter de deixar o carro em casa. “Vou conferir se vale a pena sair para trabalhar”, lamentou.

O advogado Luiz Carlos Almeida, de 40 anos, também se sente prejudicado. Ao contrário de Leonardo, ele obervou uma baixa nos preços dos postos que frequenta, mas considera que o combustível está caro, ainda mais por que utiliza muito o carro para trabalhar. “Eu preciso visitar clientes, sair para audiências”, justificou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade