Publicidade

Correio Braziliense

Empresas aumentam investimentos para pegar carona nos carros elétricos

Distribuidoras de energia oferecem recarga, atentas ao potencial desses veículos, que ainda têm participação pequena no Brasil. Foram vendidos 1,9 mil unidades neste ano


postado em 03/08/2018 06:00 / atualizado em 07/08/2018 17:03

Projeto da CPFL: empresa tem 16 veículos elétricos e implantou 10 revendas para abastecimento nas rodovias Anhanguera e Bandeirantes(foto: CPFL/Divulgação)
Projeto da CPFL: empresa tem 16 veículos elétricos e implantou 10 revendas para abastecimento nas rodovias Anhanguera e Bandeirantes (foto: CPFL/Divulgação)
São Paulo — No primeiro semestre do ano, foi vendido no Brasil cerca de 1 milhão de carros de passeio e comerciais leves do tipo flexfuel, por volta de 100 mil a diesel, 40,2 mil a gasolina e apenas 1.944 modelos elétricos, de acordo com os dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O volume dos elétricos é muito baixo, tanto que eles ainda são uma atração quando rodam pelas ruas e estradas. Apesar de a participação ainda ser residual na frota brasileira, empresas de diferentes segmentos têm começado a se mexer para pegar carona nessa tecnologia.

Nesta semana, por exemplo, o Makro Atacadista anunciou parceria com a BYD do Brasil, uma das principais fabricantes de veículos elétricos do mundo, e passou a oferecer em sete lojas no estado de São Paulo e na unidade de Aracaju os carregadores para esses carros. São 11 pontos de carregamento que podem ser usados gratuitamente. Como os principais clientes da bandeira são pequenas empresas, a novidade deverá ser útil para quem já está investindo em frotas movidas a eletricidade.

A expectativa é de que a demanda de ônibus, caminhões e comerciais leves cresça mais rápido do que os carros elétricos por causa de questões ambientais e de economia. Mas, por enquanto, a sua participação na frota atual ainda é de apenas 2,4%, como identificou pesquisa do Observatório de Veículos de Empresas (OVE), feita entre março e abril e que acaba de ser divulgada. O levantamento mostra ainda que 2,4% das empresas pretendem incluir em suas frotas os modelos elétricos entre este ano e 2020. Essa taxa de participação pode chegar a 15,7% a partir de 2021. Contudo, 79,5% das empresas nem sequer cogitam incluir essa alternativa em suas frotas.

A DHL Supply Chain, que atua no setor de logística, já começou a adotar os modelos elétricos em suas frotas. A cidade do Rio de Janeiro foi a primeira a colocar o carro nas ruas. Em julho, a empresa americana passou a fazer entregas também na Grande São Paulo e na região de Campinas (SP).

A realidade mapeada pela pesquisa do OVE e também pelos números da Anfavea pode mudar, mesmo que ainda de forma gradativa, depois que o governo assinou o programa Rota 2030, em julho. Isso porque a medida provisória assinada pelo presidente Michel Temer, que criou o novo regime automotivo brasileiro, reduziu o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de 25% para 7% a 20%, segundo a eficiência energética dos modelos híbridos e elétricos.

Havia expectativa de parte do setor no sentido de que a alíquota fosse zerada, a exemplo do que fizeram alguns países, numa forma de acelerar o crescimento da frota brasileira de veículos não poluentes. Gerente da Toyota, Anderson Suzuki acredita que as vendas poderão ter uma reação com a queda do IPI para esses modelos. No entanto, ele destaca que só mesmo com aumento da escala de produção será possível ter no Brasil quantidade maior de modelos e mais opções de e preços.

Regras claras 

Outra regulamentação que poderá estimular mais investimentos é o conjunto de normas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), publicadas em junho, que tratam da recarga de veículos elétricos por interessados na prestação desse tipo de serviço, como distribuidoras, postos de combustíveis, shoppings e empreendedores. Até agora, não havia regra para a instalação dos postos de recarga, o que causava insegurança em quem pretendia investir.

A Aneel preferiu adotar regulamentação mínima, evitando interferir na atividade e nos processos tarifários dos consumidores de energia elétrica, quando o serviço for prestado por distribuidora. Na época do anúncio, o diretor da Aneel, Tiago Correia, comentou a decisão. “A agência está eliminando eventuais barreiras para o desenvolvimento desse mercado. A norma garante que o empreendedor invista nas instalações de recarga sem medo de surpresas regulatórias posteriores”.

Eles avançam

3,2 milhões
É a extensão da frota mundial de carros elétricos, medida no começo deste ano

1,2 milhão
Número de veículos elétricos que circulavam na China no início de 2018

750 mil
É quanto os Estados Unidos detêm em carros elétricos em circulação

92.740
Frota alemã de veículos elétricos, contabilizada no ano passado

3 mil
É o tamanho da frota brasileira de veículos elétricos e híbridos

» Em São Paulo, a empresa Urbano oferece veículos elétricos no modelo de compartilhamento.

» Locadoras como a Localiza oferecem em suas frotas modelos híbridos para aluguel em várias cidades, como Belo Horizonte e São Paulo.

 

 

Segundo Lazzaretti, modelo elétrico gasta um terço do que é desembolsado para abastecer a versão a combustão(foto: CPFL/Divulgação)
Segundo Lazzaretti, modelo elétrico gasta um terço do que é desembolsado para abastecer a versão a combustão (foto: CPFL/Divulgação)

Preço alto é maior barreira

A regulamentação feita pela Aneel serviu de combustível para os planos das distribuidoras de energia. A EDP, por exemplo, firmou parceria com a montadora BMW, e inaugurou no mês passado o maior corredor elétrico da América do Sul, segundo as duas empresas. Foram instalados seis postos de recarga ao longo de 430 quilômetros da Rodovia Presidente Dutra, entre São Paulo e Rio de Janeiro. O investimento foi de cerca de R$ 1 milhão.

“A frota brasileira de veículos híbridos e elétricos ainda é pequena, mas acreditamos que os carros elétricos também vão ser o futuro no Brasil. Nesse projeto, buscamos desmistificar o que muito se ouve sobre esses veículos, que eles não podem fazer viagens longas por causa da falta de estrutura para o abastecimento”, explica Nuno Pinto, gestor de marketing da EDP Energia.

Durante seis meses, o abastecimento será gratuito. Depois desse prazo, as empresas vão avaliar se passarão a cobrar pelo combustível. Para o executivo da EDP, as frotas das empresas poderão representar um bom potencial para os negócios. Como exemplo, Nuno Pinto cita a Prefeitura de São José dos Campos, no interior paulista, que anunciou a troca de todos os veículos leves usados da Guarda Municipal por modelos elétricos. Serão, ao todo, 30 unidades.

Para o gestor da EDP, o estímulo maior veio com a portaria da Aneel sobre a instalação dos postos de recarga. Mas a multinacional portuguesa ainda estuda como vai entrar nesse mercado. Parcerias com o setor de construção civil, indústria, comércio e pessoa física poderão ser uma das formas de ingresso da companhia nessa área.

A distribuidora CPFL Energia também investiu nos postos de recarga. Hoje tem 10 eletropostos em duas rodovias, Anhanguera e Bandeirantes, no interior paulista, unindo Campinas e São Paulo. Além disso, a empresa tem 16 veículos elétricos em sua frota. Segundo Rafael Lazzaretti, diretor de estratégia e inovação da companhia, a aprovação do Rota 2030 poderá ajudar a diminuir a distância entre os mercados dos modelos com motores a combustão e os elétricos. Mas o preço desses veículos ainda é, na sua opinião, a principal barreira. “Hoje é uma opção que cresce em nichos, seja entre aqueles que gostam de tecnologia, seja os que se preocupam com a sustentabilidade”, avalia.

Economia

Lazzaretti acredita que se o mercado brasileiro tiver modelos mais baratos e o consumidor começar a fazer mais contas sobre o investimento, a tendência é de mais carros elétricos nas ruas. Isso porque, segundo o executivo, o modelo elétrico gasta um terço do que é desembolsado para abastecer o modelo a combustão. Se o motorista de um carro flex gasta R$ 300 por semana para encher o tanque, na versão elétrica o valor para rodar a mesma quilometragem cai para R$ 100.

A preocupação de distribuidoras, como a CPFL Energia, vai além da instalação de pontos de recarga. O principal desafio é saber que as atuais redes têm condições para arcar com aumento da demanda por energia para abastecer esses veículos. “Até agora sabemos que a atual rede é suficiente para atender a demanda atual e pelos próximos 15 anos não há risco ou um possível impacto no setor elétrico”, garante o diretor da CPFL.

Outra distribuidora que está investindo no setor é a Copel, do Paraná. Julio Omori, superintendente de smartgrid e projetos especiais, concorda que o mercado ainda é incipiente. Ainda assim, a empresa investiu em um corredor elétrico, assim como a EDP e a CPFL, entre Curitiba e Foz do Iguaçu. Além disso, a companhia tem conversado com algumas montadoras, como BMW e Chevrolet, na tentativa de buscar parcerias.

“Ao mesmo tempo que olhamos como esse mercado vem se comportando, avaliamos como será quando ele for maior; por exemplo, quando forem centenas de eletropontos usados ao mesmo tempo, com carga simultânea, e será preciso substituir transformadores em rede”, explica.

Para Omori, ainda falta algum tipo de estímulo para nacionalizar a tecnologia empregada na cadeia dos carros elétricos. Os carregadores, por exemplo, são importados. “Será preciso pensar esse tipo de questão dentro de uma política pública. O governo precisa pensar em um plano para o futuro”, sugere. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade