Publicidade

Correio Braziliense

Venda da Campbell tem disputa indigesta entre herdeiros da marca

Herdeiro da famosa marca de sopa se une ao fundo Third Point com o objetivo de pressionar os gestores a passarem a empresa, com dívida alta e perda de rentabilidade, para outras mãos


postado em 13/08/2018 06:00 / atualizado em 13/08/2018 00:25

Produtos da Campbell na prateleira: erros de gestão colocaram a empresa em dificuldades(foto: Mario Anzuoni/REUTERS)
Produtos da Campbell na prateleira: erros de gestão colocaram a empresa em dificuldades (foto: Mario Anzuoni/REUTERS)


São Paulo – A marca Campbell, aquela das sopas em lata transformadas em arte pelas mãos do artista Andy Warhol, vive dias indigestos em meio a uma disputa pelo seu controle. Dan Loeb, o gestor ativista da Third Point, oficializou que pretende brigar pela venda da Campbell Soup, uma companhia cuja trajetória ilustra a ascensão e a queda da indústria de Big Food nos Estados Unidos.

Desde meados de junho, quando ficou claro que a Third Point estava comprando ações da Campbell, o mercado especulava sobre a agenda da gestora. 

A novidade é que a gestora não está só. Em um documento arquivado na tarde da última quinta-feira na SEC, o órgão regulador do mercado financeiro americano, a Third Point informou ter 5,65% da Campbell e garante contar com o apoio de George Strawbridge – um dos representantes da família fundadora, dona de 42% das ações e ainda dividida quanto ao futuro da companhia. Neto do fundador, ele detém 2,85% de participação no capital da companhia. Com a Third Point, esse número chega a 8,46%.

No documento, Loeb se diz convicto de que a venda para um investidor estratégico é a única saída para extrair valor da Campbell, cujo valor de mercado hoje é o mesmo de 1996. As ações da empresa vêm subindo nos últimos meses diante das especulações de venda e reagiram positivamente diante da novidade.

No comunicado enviado à SEC, a Third Point faz um diagnóstico arrasador da companhia. “Anos de descuido abismal por parte do conselho permitiram erros de gestão, desempenho operacional pífio e em uma série de aquisições mal-assessoradas que cobraram um preço irreversível na Campbell”, afirmou a gestora.

O vácuo de poder deixado após a saída de Denise Morrison, uma das primeiras vozes da indústria a defender a transição para comidas mais saudáveis, também é criticado.

“Um dos deveres mais essenciais de qualquer conselho é evitar esse tipo de situação; a situação de vácuo de poder atual nos lembra uma frase de Ben Franklin: ‘Se você falha em planejar, você está planejando falhar’”, vaticinou o gestor.

O destino da marca icônica ainda está longe do clima de calmaria. O negócio de sopas, seu carro-chefe, encolheu 1,9% no ano passado. Ao mesmo tempo, em vez de se tornarem solução, as diversas aquisições feitas no segmento de comida fresca se revelaram um problema. Os desafios de operar uma cadeia mais complexa de suprimentos e logística pesaram sobre a rentabilidade. Resultado: as vendas dessa divisão estão praticamente estagnadas, e ela dá prejuízo operacional.

A dívida também é difícil de engolir. A compra da Snyder’s Pretzels, de chips e pretzels, no fim do ano passado, por US$ 6,1 bilhões – a maior na história de 150 anos da companhia – foi financiada com dívida. Resultado: o endividamento como proporção do Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) está na casa das cinco vezes.

Quem pode levar


A Kraft Heinz é apontada como uma compradora lógica para o negócio, até por um precedente: no fim de 2014, a Kraft estava em dificuldades e o CEO renunciou de forma inesperada. Meses depois, foi anunciada a fusão com a Heinz, então controlada pela 3G, que tem como sócios Paulo Lemann, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira.

O The New York Post reportou recentemente que a Kraft está em conversas preliminares com a Campbell, mas não estaria disposta a pagar um prêmio pela empresa. Fontes disseram à Reuters que a Kraft de fato chegou a considerar a aquisição, mas os planos esfriaram.
 
O negócio não é trivial. Ainda que haja sinergias e oportunidades de cortes de custos, a Kraft parece querer se afastar do corredor de enlatados, que ainda são a maior parte do negócio da Campbell. O futuro da Campbell deve ficar mais claro no dia 30, quando a empresa divulgará ao mercado o resultado de um plano de revisão estratégica que vem sendo conduzido desde a renúncia da CEO.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade