Publicidade

Correio Braziliense

Vendas do Dia dos Pais ficam abaixo das registradas no ano passado

Segundo estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o consumo teve uma leve queda de 0,1% em comparação com 2017


postado em 13/08/2018 15:14 / atualizado em 13/08/2018 15:25

Galerias do Conjunto Nacional, em Brasília: roupas, perfumes e cosméticos, calçados e acessórios masculinos, como cintos, carteiras, relógios e meias, foram os mais procurados pelo público(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Galerias do Conjunto Nacional, em Brasília: roupas, perfumes e cosméticos, calçados e acessórios masculinos, como cintos, carteiras, relógios e meias, foram os mais procurados pelo público (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

As vendas do Dia dos Pais não surpreenderam o comércio. Segundo estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o consumo teve uma leve queda de 0,1% em comparação com a mesma data comemorativa do ano passado. Na prática, o resultado demonstra uma instabilidade.

De acordo com a equipe técnica da pesquisa, o varejo não engatou no Dia dos Pais porque a recuperação da economia está lenta. Das datas comemorativas, a celebração é a que menos movimenta o comércio, mas ela serve como um termômetro para o consumo dos brasileiros. 

“Os consumidores continuam preocupados em não comprometer o orçamento com compras parceladas, principalmente diante de um quadro de dificuldades, com o achatamento da renda e alto índice de desemprego”, explica o presidente da CNDL, José César da Costa.

Segundo os pesquisadores, a confiança do consumidor na economia ainda não evoluiu por conta destes fatores. A inadimplência, apesar de mais baixa, ainda está num nível elevado, levando à restrição ao crédito. 


Confira o comparativo anual: 

2018 (-0,1%)

2017 (8,88%)

2016 (-9,76%)

2015 (-7,17%)

2014 (5,01%)

2013 (-5,69%)

2012 (18%)

2011 (-8,14%)


Os produtos mais procurados neste período seriam as roupas, perfumes e cosméticos, calçados e acessórios masculinos, como cintos, carteiras, relógios e meias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade