Publicidade

Correio Braziliense

Maior evento de aviação da América Latina começa hoje com incertezas

Maior feira de aviação executiva da América Latina começa hoje, em São Paulo, sob as ameaças da imprevisibilidade do dólar e da política econômica a partir do ano que vem


postado em 14/08/2018 06:00

A americana Cirius vai apresentar pela primeira vez, na feira, o modelo SF50 Vision, um jato monomotor que até agora tem 65 aeronaves entregues(foto: Cirius/Divulgação)
A americana Cirius vai apresentar pela primeira vez, na feira, o modelo SF50 Vision, um jato monomotor que até agora tem 65 aeronaves entregues (foto: Cirius/Divulgação)
São Paulo — 
Conhecida por ser o palco para quem tem muito dinheiro para gastar e costuma andar descolado da crise, a 15ª edição da Latin American Business Aviation Conference & Exibition (Labace), maior evento de aviação da América Latina, que começa hoje, terá como pano de fundo o clima de incerteza do país. Em um mercado dolarizado como esse, as oscilações da moeda americana podem minar o entusiasmo dos potenciais clientes. Além disso, pesa o fato de hoje ser impossível, mesmo para os economistas mais tarimbados, prever qual será a direção do vento depois das eleições presidenciais.

Apesar dos componentes desfavoráveis, a expectativa é que o evento gere negócios na casa de US$ 280 milhões — entre conversas iniciadas e contratos assinados. Das quase 100 empresas expositoras, 20% desembarcam no evento pela primeira vez. Outras 55 vão participar como convidadas para fazer um reconhecimento do mercado nacional, participar de reuniões com os organizadores e avaliar se vale a pena incluir o Brasil nas ações de marketing no próximo ano. Essa é uma das formas encontradas para manter a visibilidade da Labace, apesar de a economia brasileira não estar favorável. No ano passado, por exemplo, foram feitas apenas três reuniões desse tipo, com o objetivo de prospectar novos expositores.

China e Rússia 


Ainda que o clima não seja tão otimista, a feira deste ano terá estreantes. Pela primeira vez, a Labace terá representantes da indústria aeronáutica chinesa e russa. Além das dificuldades de qualquer recém-chegada a um mercado, terão pela frente o desafio de encontrar um espaço para vender seus aviões e instalar uma operação no país que garanta o pós-venda, com o fornecimento de peças e serviço de manutenção. Além disso, a feira será palco da estreia oficial em um evento público do avião Cirrus SF50 Vision, produzido nos Estados Unidos. Antes, o modelo havia sido exibido apenas em um evento fechado no litoral do Rio de Janeiro, em 2017. Já os demais fabricantes devem mostrar modelos já conhecidos.

Entre os principais expositores estão as fabricantes brasileiras Embraer e Helibras, além de Bombardier, Dassault, Cirrus, Garmin, Beechcraft, Bell Helicopter, Líder Aviação, TAM Aviação Executiva, Boeing Business Jets, Honeywell, Gulfstream, Pilatus. Por outro lado, mais empresas de serviços vão participar da feira deste ano, como explica Flávio Pires, CEO da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), organizadora da Labace. “Vemos uma paralisação no país neste ano, todos estão à espera da transição política. Isso acaba segurando a venda de aeronaves”, diz.

Segundo Flávio Pires, o número de novos expositores na área de serviços aumentou 20% como um “reflexo da utilização maior dos aviões, que passaram a fazer mais horas de voo”. Quem acha mais prudente adiar a compra de mais aeronaves, usa mais as que já estão no hangar. Isso levou a um aumento da demanda por prestadores de serviço de limpeza, manutenção, venda de peças, por exemplo. São empresas que fazem desde a troca do carpete até a comercialização de peças sobressalentes.

Mercado estável A Labace terá neste ano modelos a partir de US$ 2 milhões até US$ 60 milhões. O Brasil tem a segunda maior frota mundial de aviação geral (inclui todas as aeronaves que não fazem voos comerciais). Ao todo, são 15.406 aeronaves, segundo dados mais recentes (maio de 2018), entre jatos (756), turboélices (1.278), helicópteros (2.083) e aeronaves convencionais (11.204). O crescimento total foi de apenas 0,3% em relação aos números de 2016, com destaque para a alta de 3,7% nos turboélices e de 1,7% na frota de jatos. Já as aeronaves convencionais apresentaram uma queda e o total de helicópteros se manteve estável. Até antes da crise econômica do país, esse mercado vinha crescendo a uma taxa média de 7% ao ano. Em 2010, segundo a Abag, o país tinha 12.310 aeronaves.

Parte da sustentação do mercado nacional de aviação geral veio das vendas para as regiões Centro-Oeste e Nordeste, que tiveram suas economias empurradas pelo bom desempenho da atividade agrícola, mas também do varejo, que vem investindo na interiorização de seus negócios.


Petrobras encolheu 


Por outro lado, o Brasil viu nos últimos anos o encolhimento de alguns segmentos, segundo o presidente da Abag. É o caso das empresas ligadas à atividade de exploração de petróleo, particularmente com a Petrobras. De acordo com Flávio Pires, a companhia brasileira tinha até cerca de três anos por volta de 150 contratos de helicópteros. Hoje esse número é de cerca de 60. Calcula-se que entre 500 e 600 profissionais perderam seus postos de trabalho em função desse enxugamento da empresa. “O pior é que a maior parte não conseguiu se recolocar”, lamenta.

Mas se alguns segmentos estão reagindo mal nos últimos anos, outros podem ser bem promissores nos próximos anos. O presidente da Abag lembra que Embraer e Uber anunciaram no ano passado uma parceria para o desenvolvimento de um serviço de transporte aéreo urbano. Ainda não há uma data para o lançamento da novidade, que tem como plataforma um veículo elétrico, mas a promessa das empresas é garantir o acesso a um grande número de pessoas com o “Uber dos ares”.

Outra frente que já tem apresentado bons resultados, segundo Flávio Pires, é a de aeronaves compartilhadas do tipo charter. Nos Estados Unidos, conta, o modelo de compartilhamento vem ganhando nos últimos anos a adesão principalmente de executivos e jovens empreendedores com idades entre 30 e 40 anos. No entanto, essa mudança de comportamento ainda não avançou no Brasil — para o presidente da Abag, talvez por questões culturais.


  • Como será o evento
    15ª Labace (Latin American Business Aviation Conference & Exhibition)

    Local Aeroporto de Congonhas, em São Paulo
    Aeronaves expostas  47
    Principais expositores Embraer, Helibras, Bombardier, Dassault, Cirrus, Garmin, Beechcraft, Bell Helicopter, Líder Aviação, TAM Aviação Executiva, Boeing Business Jets, Honeywell, Gulfstream e Pilatus
    Valores  de US$ 2 milhões a US$ 60 milhões
    Previsão de negócios  US$ 280 milhões
    Preço do ingresso  R$ 450 para visitantes
    Data De 14 a 16 de agosto, das 12h às 20h. No dia do encerramento, o evento termina às 19h
    Informações  www.labace.com.br

  • Nos céus do Brasil
    Frota brasileira  15.406 aeronaves *
    Jatos  756
    Turboélices  1.278
    Helicópteros  2.083
    Aeronaves convencionais  11.204

    (*) Maio de 2018

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade