Publicidade

Correio Braziliense

Presidente da Infraero diz não saber ainda forma de privatização da empresa

Antônio Claret pretende entregar ao próximo presidente da República uma estatal enxuta e pronta para abrir capital


postado em 14/08/2018 11:37

O presidente da Infraero, Antônio Claret de Oliveira, afirmou nesta terça-feira (14/8) que pretende entregar ao próximo presidente da República uma estatal enxuta e pronta para abrir capital. "Tivemos que primeiro enxugar a empresa, ter a empresa pronta para fazer o processo, e não privatizar de qualquer forma", destacou em painel no 6º Fórum Lide de Infraestrutura Logística e Mobilidade.

O presidente da Infraero afirmou, porém, que ainda não há decisão sobre se o processo de privatização da estatal passará por uma oferta inicial pública (IPO) ou uma fusão e aquisição (M&A).

Durante sua fala, Claret salientou o trabalho que vem fazendo à frente da estatal para enxugar sua estrutura - que, segundo ele, tem uma meta de chegar a, no máximo, 6 mil funcionários - e melhorar sua governança. Com o aumento da credibilidade, a Infraero tem conseguido firmar boas parcerias e aproveitado para melhorar resultados em áreas comerciais nos 54 terminais sob sua administração, exemplificou. "Vamos parar de colocar a culpa no governo. Estou em uma estatal. Dentro da estatal tive muita dificuldade e, mesmo assim, estamos virando o resultado da empresa", disse.

Ainda em sua exposição, o presidente da Infraero classificou como "deficiente" o antigo modelo adotado pelo governo federal para as concessões aeroportuárias, que envolvia a estatal como sócia nos consórcios, com uma participação de 49%. Claret avaliou que esse processo foi "danoso" à empresa, que acabava tendo que arcar com metade da conta dos investimentos, servindo quase que como uma garantia federal nos projetos.

Durante o painel, ele reiterou que não é contra as privatizações de aeroportos. "Talvez eu tenha sido a pessoa que mais privatizou na Infraero na história. Já fizemos concessão com investimentos em praticamente todos os terminais de carga dos aeroportos do Brasil, com resultados fantásticos."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade