Publicidade

Correio Braziliense

BNDES: governo mantém leilão de 3 distribuidoras da Eletrobras no dia 30

Segundo Oliveira, o pregão atrairá investidores mesmo sem a aprovação final, no Congresso Nacional, de projeto de lei (PL) que daria maior segurança jurídica à operação


postado em 21/08/2018 12:46

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, reafirmou nesta terça-feira (21/8), a decisão do governo federal de realizar o leilão de três distribuidoras de energia elétrica hoje controladas pela Eletrobras no próximo dia 30. Segundo Oliveira, o pregão atrairá investidores mesmo sem a aprovação final, no Congresso Nacional, de projeto de lei (PL) que daria maior segurança jurídica à operação.

"As três distribuidoras remanescentes no leilão não são afetadas na mesma magnitude pelo PL. Então a decisão é manter o leilão no dia 30", afirmou Oliveira, ao deixar audiência pública sobre transparência nas ações do BNDES.

No leilão, a Eletrobras tentará vender as distribuidoras que atuam no Acre, em Rondônia e em Roraima, ainda que o PL que destrava a privatização dessas empresas não tenha sido aprovado pelo Senado. O texto já foi aprovado pelos deputados e resolve pendências dessas distribuidoras, o que poderia aumentar a atratividade do leilão.

Para Oliveira, a falta do PL não será empecilho. "Como o resultado dos negócios não é afetado pelo PL, isso não deverá afetar o interesse dos investidores", disse o presidente do BNDES. O banco coordena a privatização das distribuidoras.

Originalmente, a Eletrobras pretendia vender seis distribuidoras A Cefisa, no Piauí, foi vendida em leilão. O pregão de venda da subsidiária do Amazonas foi remarcada para 26 de setembro. Já para licitar a Ceal, de Alagoas, é preciso resolver uma disputa com o governo estadual, que cobra ressarcimento financeiro da União no Supremo Tribunal Federal (STF). 

Embraer


Dyogo Oliveira negou que o governo federal esteja esperando passar as eleições gerais de outubro para tomar uma decisão sobre o aval à operação de compra da área de aviação comercial da fabricante de aviões Embraer pela multinacional americana Boeing. Segundo Oliveira, a operação não deve ser condicionada a questões políticas.

"É um acordo comercial entre duas empresas, que tem importância estratégica", disse. O presidente do banco destacou o fato de a operação manter a fabricação de aviões por parte da Embraer no Brasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade