Publicidade

Correio Braziliense

Guru econômico de Bolsonaro vai ao Ministério da Fazenda discutir orçamento

Bolsonaro, se eleito, pretende recriar o Ministério da Economia, juntando Fazenda, Planejamento e Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), com Guedes no comando


postado em 23/08/2018 06:00

Paulo Guedes, assessor econômico de Jair Bolsonaro (foto: Credit Suisse/Divulgação )
Paulo Guedes, assessor econômico de Jair Bolsonaro (foto: Credit Suisse/Divulgação )

 

O economista Paulo Guedes, coordenador do programa econômico do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), veio a Brasília, ontem, para se encontrar com integrantes da equipe econômica, e um dos principais assuntos foi o Orçamento de 2019 e a situação das contas públicas.

Pela manhã, Guedes esteve com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, cuja equipe trabalha no Projeto da Lei Orçamentária Anual (Ploa), que será encaminhado ao Congresso até o próximo dia 31. À tarde, acompanhado dos economistas Adolfo Sachsida e Carlos da Costa, ele visitou o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Foi o segundo encontro de Guedes com Guardia. O primeiro, do qual participou o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, foi em 12 de julho, em São Paulo.

De acordo com fontes próximas a Guardia, a conversa “foi muito boa”, e uma continuidade da primeira. Guedes passou quase duas horas na Fazenda. Além do ministro, ele se reuniu com secretários da pasta. Paralelamente, Costa teve um encontro com o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida.

Bolsonaro, se eleito, pretende recriar o Ministério da Economia, juntando Fazenda, Planejamento e Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), com Guedes no comando. O economista é bem-visto pelo mercado por ter formação ortodoxa.

Para especialistas, o maior desafio do próximo presidente será equilibrar as contas públicas. “Ele terá que aplicar políticas fiscal e monetária ortodoxas e encaminhar a proposta de reforma da Previdência logo no início do governo”, avaliou o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade