Publicidade

Correio Braziliense

Planejamento e Fazenda discutem com bancos públicos facilitações no crédito

De acordo com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, retomada de encontro com presidentes das instituições também prevê iniciativas para otimizar compras das instituições financeiras e para reduzir burocracia


postado em 27/08/2018 20:26

(foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
(foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
Os ministérios do Planejamento e da Fazenda retomaram as conversas com bancos públicos para tentar estimular o crédito, otimizar as compras das instituições junto aos fornecedores  e reduzir a burocracia. “Estamos discutindo um conjunto de medidas que possam trazer segurança jurídica para as operações, desde o aumento da segurança, a redução da burocracia e um maior compartilhamento das compras pelos bancos públicos”, adiantou o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, após o encontro de quase duas horas com os presidentes dos bancos públicos e a secretária executiva da Fazenda, Ana Paula Vescovi.
 
Estavam presentes os presidentes do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, da Caixa Econômica Federal, Nelson de Souza, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, do Banco do Nordeste, Romildo Rolim e técnicos da equipe econômica, de acordo com o Planejamento.

De acordo com o chefe da pasta, “vários pontos em discussão” e tratam-se de “medidas microeconômicas junto aos bancos”, que foram debatidas na reunião. “Estamos discutindo o que pode ser feito (para incentivar o crédito). Estamos fazendo a mesma coisa no governo central, termos ganho de escala e usar o poder de compra da União e dos bancos para reduzir os custos de aquisição de materiais do dia a dia”, completou Colnago, após o encontro, nesta segunda-feira (27/08). Essa reunião foi a primeira reunião da equipe econômica e com bancos comandada por ele desde que assumiu o comando do órgão em abril. A ideia é que outras ocorram para a conclusão das medidas que serão tomadas em conjunto. 

No entanto, o ministro não precisou quando elas serão anunciadas. Vale lembrar que uma das principais medidas microeconômica que tinha sido proposta pelo governo atual com o objetivo de reduzir o spread bancário, o cadastro positivo, ainda está tramitando na Câmara dos Deputados. O projeto teve origem no Senado Federal em 2017.

Colnago, na próxima sexta-feira (30/08), encaminhará a peça orçamentária ao Congresso Nacional. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2019 está na fase final de conclusão e deve prever um rombo de até R$ 139 bilhões nas contas do governo central, conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que prevê um salário mínimo de R$ 998 no ano que vem.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade