Publicidade

Correio Braziliense

Faturamento dos clubes de futebol atinge marca de R$ 5 bilhões

Aumento da receita, porém, é superado pelo crescimento das dívidas, que somaram quase R$ 7 bi no ano passado. A boa notícia é a crescente preocupação com a gestão profissional


postado em 04/09/2018 06:00 / atualizado em 04/09/2018 09:18

Desde 2003, arrecadação dos clubes brasileiros cresceu oito vezes(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 8/4/18)
Desde 2003, arrecadação dos clubes brasileiros cresceu oito vezes (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 8/4/18)
São Paulo — Se dentro das quatro linhas o futebol em 2018 será marcado pela derrota do Brasil na Copa, fora de campo há boas notícias. Segundo estudo recém-divulgado pela consultoria de marketing esportivo Sports Value, a receita dos 20 maiores clubes do país atingiu pela primeira vez a marca de R$ 5 bilhões. Não é pouco. Em 2003, o montante arrecadado somou R$ 650 milhões — o que dá um aumento de quase oito vezes.

O Flamengo registrou o maior incremento de receitas entre 2016 e 2017 e tomou do Palmeiras o posto de clube mais rico do país. O ganho na arrecadação no último ano foi de R$ 138,6 milhões. No total, o clube carioca teve um caixa de R$ 649 milhões, de acordo com os dados da Sports Value. O Botafogo foi o segundo clube que mais viu as receitas subirem — engordou o caixa em R$ 120 milhões. Em seguida, aparece o Cruzeiro, com ganho de R$ 106 milhões de arrecadação em 2017.

No ranking de arrecadação, o Palmeiras ficou em segundo, com R$ 504 milhões, seguido de São Paulo (R$ 480 milhões) e Corinthians (R$ 391 milhões). O Cruzeiro está na quinta posição, com R$ 344 milhões. No campo oposto, o Corinthians foi o clube com maior redução de receitas em 2017: queda de quase R$ 95 milhões. O Fluminense, que viu as receitas encolherem R$ 81 milhões, e o Internacional (menos de R$ R$ 47 milhões), completam as três primeiras posições.

O que mais puxou as receitas dos times foi a transferência de atletas, que avançou 40% em 2017, chegando a R$ 960 milhões. O número foi puxado pela transferência de Vinícius Junior, do Flamengo, para o Real Madrid, em maio do ano passado, por 45 milhões de euros (cerca de R$ 165 milhões na cotação da época). Outras fontes de receita também evoluíram: patrocínio (27%), sócios (17%) e bilheteria (9%). As receitas de TV caíram 18% porque, em 2016, os clubes receberam altos valores de luvas da Globo e do Esporte Interativo — que não se repetira m em 2017.

Apesar do maior faturamento, Amir Somoggi, sócio da Sports Value, não vê motivos para comemoração. “Os clubes vivem de poucas fontes de receita e, quando têm aumento na arrecadação, gastam mais do que arrecadam”, diz. “Isso é fruto de uma gestão voltada apenas para o resultado dentro de campo.”

Quase 60% da arrecadação dos clubes vêm de duas fontes: venda dos direitos de televisionamento (R$ 2 bilhões) e de direitos de jogadores (R$ 966 milhões). Segundo Somoggi, a situação financeira dos clubes seria mais saudável se outras fontes de receita, como bilheteria, sócios e patrocínios, tivessem maior relevância. “Na Europa, as receitas de TV são muito importantes até para os grandes clubes, mas a dependência é menor.”

Segundo estudo da consultoria Deloitte, na temporada 2016-2017, os 20 maiores clubes europeus arrecadaram quase 8 bilhões de euros, ou cerca de R$ 38 bilhões, pouco mais que sete vezes o montante dos clubes brasileiros. Cerca de 45% vieram da TV, 38% de patrocínio e venda de produtos e 17% do que o mercado internacional chama de “matchday”, como são chamadas as receitas vindas do público numa partida, incluindo comida, bebida e ingressos. Na Europa, o clube mais rico é o Manchester United, da Inglaterra, que faturou 676 milhões de euros (R$ 3,2 bilhões), ou quase cinco vezes o arrecadado pelo Flamengo. Real Madrid (675 bilhões de euros) e Barcelona (648 bilhões) completam o pódio.

Os dados corroboram a tese de Somoggi de que aumentos de receitas são seguidos por avanços ainda maiores nos gastos. Entre 2016 e 2017, o montante gasto pelos maiores clubes brasileiros no departamento de futebol acelerou 21% (somando R$ 3,5 bilhões), enquanto as receitas cresceram apenas 4%. Nos últimos três anos, só cinco clubes fecharam no azul. Em 15 anos, o deficit somado dos 20 clubes chega a R$ 2,4 bilhões.

Aumento da dívida


Uma situação como essa não poderia resultar em outra coisa, senão no aumento da dívida, que saiu de R$ 1 bilhão em 2003 para R$ 6,7 bilhões no ano passado. O clube mais endividado é o Botafogo, que deve R$ 720 milhões, seguido do Internacional (R$ 700 milhões), Fluminense (R$ 560 milhões) e Atlético-MG (R$ 538 milhões). Entre 2011 e 2017, só dois clubes conseguiram baixar o que devem, Flamengo e Chapecoense (SC).

A despeito dos problemas, que são muitos, é possível notar avanços. Segundo o especialista em finanças de clubes Cesar Grafietti, os times brasileiros têm melhorado a gestão financeira. “Hoje, notamos uma preocupação com a qualidade da gestão dos recursos”, diz Grafietti, consultor sênior do Itaú BBA. “Há alguns anos, eram mais descuidados com pagamento de salários, fluxo de caixa, controle da dívida e da divulgação das informações financeiras”, diz o especialista.

Apesar de ser o mais endividado, o Botafogo é o que menos gasta com o departamento de futebol na proporção das receitas: 41%. Em 2013, gastava 93%. No ano passado, teve o terceiro maior superáavit (R$ 57 milhões), atrás apenas de Flamengo e Palmeiras, que terminaram 2017 com saldos positivos de R$ 159 milhões e R$ 57 milhões, respectivamente. “Os clubes começam a entender que precisam controlar despesas como se fossem empresas”, diz Grafietti.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade