Publicidade

Correio Braziliense

Governadora de Roraima descarta interrupção do fornecimento de energia

Governo do estado defende que Eletrobras faça manutenção de linha de transmissão de energia da Venezuela para que não haja interrupção dos serviços


postado em 11/09/2018 20:46 / atualizado em 11/09/2018 20:48

Suely Campos cobrou do governo federal fizesse a manutenção da linha de transmissão de Guri, que é da Venezuela(foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Suely Campos cobrou do governo federal fizesse a manutenção da linha de transmissão de Guri, que é da Venezuela (foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

A governadora de Roraima, Suely Campos, disse, após reunião com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, na noite desta terça-feira (11/9), que não existe nenhuma possibilidade de interrupção do fornecimento de energia do estado. Ela cobrou do governo federal fizesse a manutenção da linha de transmissão de Guri, que é da Venezuela. Os reparos seria de responsabilidade da Eletrobras. De acordo com a governadora, a pasta achou a proposta “viável”.

O Ministério de Minas e Energia ainda não se pronunciou sobre a reunião. Roraima é a única unidade da federação que não está incluída no sistema nacional de energia e, por isso, é dependente do fornecimento do país vizinho. Há 20 anos, o complexo hidrelétrico de Guri, da Venezuela, gera energia para o estado. 

No final de agosto, o Ministério de Minas e Energia comunicou que a Eletronorte, da Eletrobras, não conseguia realizar pagamentos aos venezuelanos por conta do sistema bancário do país vizinho, que sofreu sanções dos Estados Unidos. 

Mesmo com as ameaças de interrupção dos serviços, a Venezuela tem uma dívida de mais de R$ 1 bilhão com o Brasil. O governo brasileiro tentou impedir os problemas de transmissão com a justificativa da pendência financeira, mas não obteve sucesso. 

Segundo Suely, o governo de Roraima enviou um ofício, há alguns dias, perguntando sobre o fornecimento da energia de Guri. “Nós viemos aqui perguntar como que está essas tratativas deste contrato de Guri. Ele (Moreira Franco)nme disse que estão fazendo as tratativas de pagamento dessa conta de energia, porque os bancos da Venezuela foram bloqueados de fazer operações internacionais pelos Estados Unidos. Estão fazendo essa tratativas que eles chamam de ‘coordenadas bancárias’ para tentar ver. Tentaram por uma coordenada e não deu certo e estão tentando por outras vias bancárias para quitar essa conta desse sistema”, disse a governadora a jornalistas. 

Ela sugeriu para que o complexo hidrelétrico de Guri seja revitalizado pela Eletrobras. A manutenção só pode ser realizada, porém, com aval do governo venezuelano. “Isso é uma tratativa que vamos fazer futuramente para ver se a Eletrobras faz essa manutenção e nós precisamos ter novamente a qualidade no fornecimento de energia para o Estado, que é o segundo que mais cresce no país, com o setor produtivo alavancando a produção de grãos. Nós precisamos de energia confiável”, ressaltou. “Ele (Moreira Franco) acha viável que a Eletrobras poderá fazer essa manutenção, desde que o governo venezuelano acate essa possibilidade”, completou. 

Não há, porém, prazo e garantias de que o procedimento será feito. Mesmo assim, Suely garantiu que a energia não será cortada. “Não existe nenhuma possibilidade de interrupção do fornecimento de energia, nem por parte do Brasil, logicamente, nem pela Venezuela. O Ministério de Minas e Energia não foi comunicado de nada da Venezuela”, justificou. 


Sistema nacional de energia 

A governadora também afirmou que as obras do Linhão de Tucuruí também precisam ser realizadas para que Roraima consiga, “finalmente”, fazer parte do sistema nacional de energia. Segundo ela, apesar do complexo de Guri não ser brasileiro, o estado precisa dos serviços. “Seria interessante para nós, enquanto não resolvermos a questão de Tucuruí, que estamos esperando há muito tempo, nós precisamos muito da energia de Guri. Nós não podemos prescindir dessa energia. Se houver realmente uma dificuldade em continuar com a energia de Guri, nós vamos voltar ao tempo e ficar totalmente com a termoelétrica na contramão da história”, defendeu Suely. 

Ela ressaltou, por fim, que é preciso unificar o sistema. “Nós somos o único estado do Brasil que não está ligado ao sistema de energia do país”, apontou. “Ele (Moreira Franco) falou que está tratando disso com as empresas e a Eletrobras quem vai fazer essa ligação de Tucuruí até Roraima. Está tramitando toda essa negociação”, disse. Apesar da reunião, a governadora não recebeu nenhum tipo de prazos do governo federal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade